Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Contestação à reforma do código do trabalho está a afundar a França

Contestação à reforma do código do trabalho está a afundar a França
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Refinarias e depósitos bloqueados, postos de gasolina a seco, o conflito em torno das instalações de petróleo em França endurece e ameaça generalizar-se.

O braço-de-ferro entre governo e sindicatos por causa da reforma do código do trabalho não recua e novas greves surgem no horizonte nomeadamente nos setores dos transportes com os trabalhadores ferroviários e os controladores de tráfego aéreo a aderiem ao protesto.

Na região de Paris começa a sentir-se a falta de combustível e os consumidores receiam o pior:

“ Não há combustível em lado nenhum. Sinto-me frustrada porque estamos reféns deste conflito e isto vai generalizar-se. Estou furioso mas entendo porque há o direito à greve e que devemos respeitar, mas para as pessoas que trabalham, não é prático.”

A tensão foi grande na madrugada terça-feira com as forças da ordem a desmantelar o bloqueio nas instalações de Fos-sur-Mer (Bouches-du-Rhône). Os manifestantes queimaram pneus e lançaram projéteis contra os polícias que responderam com gás lacrimogéneo e canhões de água. Sete pessoas ficaram feridas vítimasde bastonadas.

O sindicato denunciou imediatamente “o uso inaceitável de violência” e “uma negação da democracia,” prometendo novas formas de ação.”

A Federação CGT convocou uma greve para os portos e docas na quinta-feira e decidiu estender o movimento de contestação por mais 24 horas, até sexta-feira.

O executivo mostra-se inflexível e repete que não haverá falta de combustíveis no país embora, após cinco dias de greve, 20% das 12.000 das estações de serviço existentes em França estejam parcial ou totalmente a seco.
Inicialmente concentrada no norte e oeste, a contestação estende-se agora a todo o país.