A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Condenação de Hissène Habré, conhecido como "Pinochet africano", divide opiniões

Condenação de Hissène Habré, conhecido como "Pinochet africano", divide opiniões
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O ex-presidente do Chade, Hissène Habré, não manifestou qualquer reação à condenação à prisão perpétua, esta segunda-feira, em tribunal, mas no exterior do edifício multiplicaram-se os comentários ao veredicto.

“Hissène Habré nunca imaginou que um dia estaria em tribunal. Lutámos e os nossos sacrifícios compensaram”, sublinhou Clément Abaifouta, presidente da Associação chadiana de Vítimas de Crimes e Repressões Políticas (AVCRP).

Fatime Thiangdoum, uma das vítimas, acrescentou: “Declarar Hissène Habré culpado é tudo o que me interessa. Não é a compensação. A compensação fica para depois.”

Habré foi considerado culpado de cometer crimes contra a humanidade e torturas. Durante o mandato do antigo presidente do Chade registaram-se cerca de 40 mil assassinatos políticos e mais de 200 mil casos de tortura.

A leitura do veredito arrastou-se ao longo de quase uma hora. Em Dacar viveu-se uma jornada histórica no entender de alguns.

“Este é um exemplo forte para todos aqueles que detêm o poder em África e para os que aspiram a ter poder. Atualmente já não se pode violar de forma massiva direitos humanos, ficar-se impune e dormir tranquilamente”, disse Assane Dioma Ndiaye, advogado das vítimas,

O advogado do antigo Presidente do Chade, Ibrahim Diawara, esperava outro desfecho: “Estamos bastante desapontados porque com tudo o que se conseguiu durante o julgamento e pela forma como provámos a inocência do presidente Habré, que foi alvo de acusações falsas, esperávamos a absolvição.”

Hissène Habré refugiou-se no Senegal depois de perder o poder em 1990.