EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Hissène Habré, o primeiro ex-chefe de Estado condenado noutro país africano

Hissène Habré, o primeiro ex-chefe de Estado condenado noutro país africano
Direitos de autor 
De  Francisco Marques com Chambres Africaines Extraordinaire, AFP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O antigo presidente do Chade Hissène Habré foi condenado esta segunda-feira a prisão perpétua e tornou-se no primeiro chefe de Estado a ser julgado e condenado noutro país do mesmo…

PUBLICIDADE

O antigo presidente do Chade Hissène Habré foi condenado esta segunda-feira a prisão perpétua e tornou-se no primeiro chefe de Estado a ser julgado e condenado noutro país do mesmo continente. “Este tribunal considera-o culpado de crimes contra humanidade, violação, escravatura e rapto”, afirmou o juiz Gberdao Gustave Kam, que liderou o processo conduzido pelo tribunal africano extraordinário, órgão internacional criado no final de 2012 pela União Africana e pelo Senegal.

#VerdictHbré: La Chambre prononce la perpétuité pour Habré.. pic.twitter.com/09nLFEPMdH

— Chambres Africaines (@chambresafrica) 30 de maio de 2016

Reed Brody, porta voz da organização de defesa dos direitos humanos Human Rights Watch e conselheiro nos últimos 15 anos das vítimas Habré, disse que a condenação é uma advertência para outros déspotas no mundo, evocando nas redes sociais os regimes de Bashar al Assad, na Síria, e Kim Jong-un, na Coreia do Norte.

Réaction de [Tyrants take note: You will never be out of the reach of your victims. #HissèneHabrépic.twitter.com/RHXEkDrPHx

— Reed Brody (@ReedBrody) ](<<blockquote class=>)30 de maio de 2016

(“Tiranos tomem nota: Vocês nunca vão estar fora do alcance das vossas vítimas.”)

“Este veredicto envia uma poderosa mensagem de que os dias em que os tiranos podiam brutalizar o seu povo, pilhar a sua riqueza e escapar para uma vida de luxo no estrangeiro estão a acabar”, indicou num comunicado.

A condenação proferida esta segunda-feira, em Dakar, no Senegal, foi recebida com grande entusiasmo pelas vítimas sobreviventes e pelos ativistas de direitos humanos que há quase 16 anos ansiavam por justiça face a Hissène Habré.

Long time coming, but Hissène #Habré verdict has finally delivered justice to victims https://t.co/d4lnMLEdwC#Chadpic.twitter.com/3a7NunEpjv

— Amnesty Int'l NI (@AmnestyNI) 30 de maio de 2016

Presidente do Chade entre junho de 1982 e dezembro de 1990, quando foi deposto, Hissène Habré era acusado de ter sido o responsável pela morte de cerca de 40 mil pessoas e de diversos atos de tortura contra opositores durante os oito anos em que liderou o país. Pelo menos, quatro mil dos mortos foram identificados.

O tribunal terá sido convencido pelo testemunho de uma das alegadas vítimas de tortura. Khadija Hassan Zidane diz ter sido violada diversas vezes e pelo prório Hisséne Habré.

“Ele agarrou-me pelos cabelos antes de me deitar por terra. Tentei resistir, mas, cansada, acabei por me deixar ir. Foi assim que ele abusou de mim e repetiu.o quatro vezes. À quarta vez, obrigou-me a engolir o seu esperma”, terá dito a vítima quando questionada em tribunal, em outubro passado, citada pelo jornal digital Tchadoscopie.

#VerdictHabré: “La chambre est convaincue que Khadija Hassan Zidane a dit la vérité sur les violences sexuelles” Le juge KAM

— Chambres Africaines (@chambresafrica) 30 de maio de 2016

Hisséne Habré esteve em silêncio durante todas as audiências do julgamento, mas após a sentença gritou: “viva a África independente e livre. Aaixo a ‘Françáfrica’”. O antigo presidente do Chade tem agora 15 dias para apresentar recurso.

/p> > After historic conviction, thinking of my friends, #HissèneHabré's survivors, who didn't live to see this victory pic.twitter.com/YMCgg0scAd

— Reed Brody (@ReedBrody) 30 de maio de 2016

(“Depois desta histórica condenação, penso nos meus amigos,
sobreviventes de Hissène Habré, que não conseguiram viver para ver esta vitória.”)

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Oposição já festeja vitória nas presidenciais do Senegal

Confrontos no Senegal após líder da oposição ser acusado de insurreição e partido dissolvido

Líder militar vence eleições no Chade, apesar de alegações de fraude