EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Itália: Berlusconi falha aposta das autárquicas

Itália: Berlusconi falha aposta das autárquicas
Direitos de autor 
De  Ricardo Figueira com EFE, RAI
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O Movimento Cinco Estrelas pode eleger uma mulher de 37 anos para a presidência da câmara de Roma.

PUBLICIDADE

No regresso à política ativa, Silvio Berlusconi falhou a aposta, com maus resultados nesta primeira volta das autárquicas.

A surpresa foi o Movimento Cinco Estrelas, de Beppe Grillo. Em Roma, a candidata do movimento, Virginia Raggi, ficou destacada à frente na primeira volta: “É metade do percurso, falta o sprint final, mas é um momento histórico, posso tornar-me na primeira mulher a presidir à câmara de Roma. Os romanos deixaram de acreditar em slogans e promessas eleitorais, estão a mostrar que acreditam num movimento que apresenta um projeto político sério e transparente”, disse.

Quando l'acqua inizia a bollire, è da sciocchi spegnere il fuoco: https://t.co/hnVdGfQpSX#coRAGGIopic.twitter.com/l21Lmmwd9c

— Virginia Raggi (@virginiaraggi) June 3, 2016

Raggi passou à segunda volta com Roberto Giachetti, do Partido Democrático, o partido maioritário na coligação de governo.

Os italianos foram chamados às urnas para eleger os órgãos de mais de 1300 municípios, incluindo sete capitais de região.

Tal como em Roma, também em Turim o candidato apoiado pelo primeiro-ministro Matteo Renzi vai à segunda volta com o do Movimento Cinco Estrelas.

La campagna elettorale è incontro, abbraccio, affetto. Grazie a chi è stato con noi oggi. Avanti tutta pic.twitter.com/0XiOY3amup

— Matteo Renzi (@matteorenzi) June 3, 2016

Os grandes perdedores desta primeira volta são Renzi e Berlusconi. A Forza Italia não passa à próxima volta a não ser nos municípios onde concorre coligada com a Liga Norte, que se afirma como principal partido da direita e centro-direita. “Il Cavaliere” está de regresso à política, agora que terminou a proibição de exercer cargos. Nos outros municípios importantes, como Bolonha, Nápoles e Milão, a segunda volta vai ser discutida entre a esquerda/centro-esquerda e a direita/centro-direita.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Meloni procura reforma constitucional para eleição direta do primeiro-ministro

Guerra na Ucrânia domina cimeira do G7 em Itália

Em Monfalcone, Itália, um terço dos residentes é imigrante mas a autarquia é de extrema-direita