EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Trump versus Clinton na tragédia em Orlando

Trump versus Clinton na tragédia em Orlando
Direitos de autor 
De  Nara Madeira
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Em Cleveland, esta segunda-feira, os pré-candidatos à presidência dos Estados Unidos, usaram a tragédia de Orlando para reiterar as suas posições.

PUBLICIDADE

Em Cleveland, esta segunda-feira, os pré-candidatos à presidência dos Estados Unidos, usaram a tragédia de Orlando para reiterar as suas posições. Em Cleveland, Hillary Clinton voltou a defender o fim da venda de armas de forma indiscriminada no país:

“Acredito que não há lugar nas nossas ruas para armas de guerra. Podemos ter as nossas divergências sobre a legislação no que diz respeito às armas, mas devemos ser todos capazes de chegar a acordo sobre algumas coisas essenciais. Se o FBI está a vigiá-lo por suspeita de ligação terrorista, você não pode comprar uma arma, sem que lhe sejam feitas perguntas”, adiantou Clinton.

Do outro lado da barricada, o pré-candidato republicano criticou a posição de Clinton e defendeu a 2ª emenda. Donald Trump centrou o seu discurso no problema da imigração:

“Não podemos continuar a permitir que milhares e milhares de pessoas entrem no nosso país, muitas delas têm o mesmo processo de pensamento desse assassino selvagem. A única razão pela qual o assassino estava nos Estados Unidos, desde o início, foi porque permitimos que a sua família viesse para cá: isso é um facto e é um facto sobre o qual precisamos de falar”, afirmou Trump.

A única coisa em que os dois adversários concordam é que é preciso acabar com o terrorismo, mas por diferentes meios.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

EUA: Ataque de Orlando coloca terrorismo no centro da campanha eleitoral

Massacre de Orlando: No Afeganistão estas são tragédias diárias

Ascensão da extrema-direita pode por em risco direitos das pessoas LGBT, alerta a ONG ILGA