EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

EUA abrandam retirada do Afeganistão

EUA abrandam retirada do Afeganistão
Direitos de autor 
De  Rodrigo Barbosa com AFP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Barack Obama volta a abrandar o ritmo da retirada do Afeganistão.

PUBLICIDADE

Barack Obama volta a abrandar o ritmo da retirada do Afeganistão. O presidente dos Estados Unidos anunciou a manutenção de 8400 soldados norte-americanos até 2017, justificando a decisão pela ameaça continuada dos talibãs e outros grupos terroristas, como o Estado Islâmico, face a forças afegãs que “ainda não são tão fortes quanto deveriam”.

Antes estava prevista uma redução para 5500 soldados até ao início do próximo ano.

Obama afirmou que “como presidente e chefe das Forças Armadas” deixou claro que não permitirá “que o Afeganistão seja usado como porto seguro por terroristas, com a intenção de voltar a atacar” os Estados Unidos. “As missões continuam focadas no apoio às forças afegãs e na perseguição de terroristas”.

O presidente afegão felicitou o anúncio, que classificou de prova da força da parceria entre os Estados Unidos e o seu país para vencer um “inimigo comum” e “reforçar a estabilidade regional”.

Se, por um lado, a intervenção militar lançada depois do 11 de setembro de 2001 foi oficialmente dada como terminada por Washington em 2014, por outro Obama já foi obrigado, por várias vezes, a reajustar o calendário da retirada.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Morte de Alexei Navalny provoca reação internacional

Três militares americanos morreram e "muitos" ficaram feridos num ataque com drones na Jordânia

EUA e Reino Unido lançam ataques contra alvos Houthi no Iémen