Áustria: Presidente cessante denuncia xenofobia

Áustria: Presidente cessante denuncia xenofobia
Direitos de autor 
De  Nelson Pereira
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Heinz Fischer deixou a presidência da Áustria esta sexta-feira, depois de 12 anos no cargo, apelando aos austríacos para que resistam ao populismo e à xenofobia.

PUBLICIDADE

Heinz Fischer deixou a presidência da Áustria esta sexta-feira, depois de 12 anos no cargo, apelando aos austríacos para que resistam ao populismo e à xenofobia.

“A nossa política para os refugiados deve ser orientada pela racionalidade e pelo humanismo”, disse o presidente cessante num discurso marcado por críticas ao partido populista FPÖ de Nobert Hofer, que contestou o resultado da eleição presidencial de maio.

Fischer alertou que a política populista anti-imigração do FPÖ pode danificar a posição moral do país. “Nós, europeus, somos obrigados a formar uma ampla coligação contra o ódio e a violência”, sublinhou.

A cerimónia contou com a participação dos representantes das duas Câmaras do Parlamento, membros do governo, ex-chanceleres e representantes da sociedade austríaca.

Foi dia de críticas ao líder do FPÖ. Alexander Van der Bellen, o candidato ecologista que venceu as presidenciais de maio, acusou Hofer de “brincar com o fogo” ao evocar um possível referendo sobre a saída da União Europeia.

O líder dos Verdes derrotou Norbert Hofer na segunda volta das eleições de maio por uma pequena vantagem, mas o Tribunal Constitucional anulou o resultado, apontando irregularidades na contagem dos votos. As presidenciais terão que ser repetidas em 2 de outubro.

Hofer e o FPÖ reforçaram a posição contra a permanência da Áustria na UE na sequência da vitória dos partidários da saída da Grã-Bretanha no referendo britânico de 23 de junho.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Apelo ao reforço da Operação Aspide de proteção dos navios do Mar Vermelho

Funcionário sueco da UE detido há dois anos no Irão

Líderes da União Europeia condenam ataque do Irão a Israel e apelam à contenção