EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Cimeira de Varsóvia: NATO lança pacote de apoio à Ucrânia

Cimeira de Varsóvia: NATO lança pacote de apoio à Ucrânia
Direitos de autor 
De  Nelson Pereira
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Um pacote de apoio para a Ucrânia – um dos pontos acordados na cimeira da NATO que terminou este sábado em Varsóvia.

PUBLICIDADE

Um pacote de apoio para a Ucrânia – um dos pontos acordados na cimeira da NATO que terminou este sábado em Varsóvia.

Trata-se de ajudar as instituições de defesa e segurança da Ucrânia com conselhos e apoio específico para as tornar mais eficientes, disse o secretário-geral da organização, Jens Stoltenberg, no encontro que reuniu na capital polaca os chefes de Estado e de governo dos 28 países da NATO e o Presidente da Ucrânia Petro Poroshenko.

Em declarações à euronews, a responsável ucraniana para a integração europeia, Ivana Klympush-Tsintsadze, frisou que o seu país precisa de reforçar a segurança das suas fronteiras:

“Precisamos que as nossas forças armadas integrem os padrões da NATO ao nível da segurança e defesa e esta é uma etapa que nos tornará definitivamente mais fortes e capazes de continuar a defender o nosso país. Sabemos que, infelizmente, temos de estar preparados para isso todos os dias”.

Para Alexander Golts, analista independente russo de assuntos militares, estas promessas à Ucrânia não preocupam muito Moscovo:

“A Rússia mantém uma posição oficial de desconfiança face aos contactos entre a NATO e a Ucrânia, pois existe o receio – embora sem grande fundamento – de que a Ucrânia decida em determinado momento tornar-se membro da NATO. Este pacote está na linha das medidas que foram decididas na cimeira anterior no País de Gales, não houve grandes mudanças”.

A NATO move-se com cautela, entre a aprovação de medidas de reforço militar no leste europeu e a preocupação em manter um diálogo construtivo com a Rússia.

Petro Poroshenko discutiu também com seus colegas ocidentais a situação no Leste da Ucrânia, mas é facto incontornável que nenhum avanço do processo iniciado com os acordos de Minsk se fará sem a participação da Rússia.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

'Brexit' precipita voto sobre renovação da frota nuclear britânica

NATO adia "retirada" do Afeganistão com compromisso financeiro para mais três anos

Cimeira de Varsóvia: NATO e Rússia apostadas em promover o comércio de armas?