Última hora

Regulador dos EUA exige explicações da Tesla sobre acidente mortal com "autopiloto"

Regulador dos EUA exige explicações da Tesla sobre acidente mortal com "autopiloto"
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O regulador da segurança rodoviária nos Estadios Unidos ordenou à Tesla a entrega de informação detalhada sobre a respetiva tecnologia de autopilotogem já em uso pela conhecida fabricante de carros elétricos. A exigência surge na sequência ao acidente mortal de 7 de maio envolvendo uma viatura em que esta tecnologia estava a ser usada.

A Adminsitração norte-americana de Segurança no Tráfego nas autoestradas quer saber tudo o que os próprios investigadores da Tesla já descobriram sobre o carro autopilotada que chocou com um camião e matou o respetivo passageiro.

A fabricante norte-americana de carros elétricos Tesla informou, entretanto, que pretende manter a função “piloto automático” dos seus carros, apesar do acidente mortal.

A tecnologia “piloto automático” da empresa permite a condução automática através de sensores, que conduzem o veiculo em lugar do piloto, mas em maio a máquina não distinguiu um camião branco com atrelado a atravessar a estrada e não ativou o travão.

Depois de uma investigação realizada por reguladores de segurança de automóveis dos Estados Unidos, sobre a responsabilidade da função “piloto automático” no acidente fatal, Elon Musk, o chefe executivo da Tesla, disse que os proprietários dos carros elétricos da fabricante precisam de mais educação para utilizar a tecnologia.

Musk defendeu a tecnologia da empresa como sendo mais segura do que os carros normais e lembrou que o acidente foi o primeiro com um veíoculo em “piloto automático”.

“Esta é a primeira fatalidade em mais de 130 milhões de milhas em que o ´piloto automático´ esteve ativado. Entre todos os veículos dos Estados Unidos, existe uma fatalidade em cada 94 milhões de milhas”, disse a companhia no seu website.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.