Última hora
This content is not available in your region

Os seis melhores momentos na história dos Jogos Olímpicos

Os seis melhores momentos na história dos Jogos Olímpicos
Tamanho do texto Aa Aa

A Euronews retrocedeu no tempo à procura dos melhores momentos na história dos Jogos Olímpicos (JO).

Nadia Comaneci, Jogos Olímpicos de Montreal, 1976:

Comaneci foi uma das estrelas dos JO de Montreal. Em 1976, a ginasta romena, que competia pela primeira vez nos Jogos Olímpicos, destacou-se nas barras paralelas assimétricas com uma atuação brilhante, para a qual nem mesmo o contador estava preparado.

Antes das provas dos ginastas foi perguntado ao fabricante, Omega, quantos dígitos seriam necessários para as avaliações do júri. O comité decidiu que três números seriam suficientes já que nunca ninguém conseguira um 10 perfeito.
Mas o improvável aconteceu e Comaneci recebeu um “1.00”, deixando muita gente na plateia confusa.

Nadia Comaneci, de 14 anos, voltou a obter mais seis vezes a pontuação máxima nos Jogos de Montreal. Ganhou três medalhas de ouro uma nas barras paralelas assimétricas, uma na trave de equilíbrio e outra por ter sido a melhor ginasta em prova.

Emil Zátopek, Jogos Olímpicos de Helsínquia, 1952:

Emil Zátopek é um dos grandes nomes no que respeita às corridas de Fundo. Em 1948, já tinha arrecadado a medalha de prata nos 5.000 metros e a de ouro nos 10.000.

Quatro anos mais tarde, nos JO em Helsinquia, conquistou o ouro nos 5.000 e nos 10.000 metros. O seu rival, Jim Peters, ficou de tal forma desiludido com a derrota que decidiu correr a maratona.

Na altura Peters era o melhor e Zapotek, que nunca na sua vida correra a maratona, não quis perder o desafio. Após cerca de uma hora a correr, o atleta checo perguntou: “Este ritmo é muito rápido?”. Sem admitir que o ritmo era demasiado acelerado, e em forma de brincadeira, Peters respondeu: “Não. Não é rápido o suficiente”. O atleta checo levou a sério, acelerou e Peters perdeu-lhe o rasto. O britânico acabaria por desistir da corrida.

Já Zapotek cruzou a linha de chegada e ouviu a multidão gritar o seu nome. Bateu o recorde mundial em mais de seis minutos, que nunca foi igualado ou batido na história dos JO.

Dick Fosbury, Jogos Olímpicos do México, 1968:

Nos anos 60, o salto em altura compreendia dois métodos. No primeiro, estilo tesoura, o atleta lançava uma perna e depois a outra por cima da barra antes de aterrar a pés juntos. No segundo, o método Straddle, e na sua variante rolo ventral, os atletas saltavam com o rosto voltado para o colchão. Dick Fosbury fazia os dois na perfeição mas não gostava do segundo.

Foi considerado o 61º melhor atleta no salto em altura em 1967. Mas um ano depois viria a revolucionar a modalidade ao exibir um novo estilo nos JO do México, o Fosbury Flop.
Esta técnica, hoje a mais usada pelos atletas, garantiu-lhe a medalha de ouro.

Jesse Owens, Jogos Olímpicos de Berlim, 1936:

Quando participou nos JO de Berlim, Jesse Owens já detinha o título mundial nas provas de 100 e 200 metros e no salto em comprimento.

Começou por melhorar o seu tempo na prova dos 100 metros e acabou a surpreender o alemão Erich Borchmeyer no caminho para a medalha de ouro.

O salto em comprimento, porém, não foi assim tão fácil. Na manhã da pré-eliminatória tinha falhado dois saltos.

Uma dica do alemão Luz Long ajudou-o e Owens qualificou-se para a final, que acabou por vencer com um salto de 8.06 metros.

Relembrando o apoio do rival, Owens viria mais tarde a afirmar: “Podem derreter todas as medalhas e taças que tenho, não seriam suficientes para a amizade de 24 quilates que senti por Luz Long naquele momento”.

No final, o norte-americano percorreu os 200 metros em 20,7 segundos. Arrecadou a quarta medalha de ouro nos 4×100 metros.

Fanny Blankers-Koen, Jogos Olímpicos de Londres, 1948:

Muito foi vaticinado sobre a holandesa Fanny Blankers-Koen depois de ter obtido o seu primeiro recorde mundial, em 1938. Fanny teve o azar de estar no seu melhor no momento em que rebentava a Segunda Guerra Mundial.

Em 1948, por altura dos JO de Londres, a atleta tinha 30 anos, era casada e tinha dois filhos. O que não a demoveu de continuar a lutar no atletismo.

Ganhou a prova dos 100 metros, nos oitenta metros finais, terminou-a em 11,2 segundos. Venceu também na prova inaugural feminina dos 200 metros, com um tempo de 24,4 segundos. Ganhou pela quarta vez os 4×100.

Blankers-Koen foi a primeira holandesa a ganhar um título olímpico. Foi a primeira mulher a ganhar quatro medalhas de ouro e a primeira a fazê-lo em modalidades individuais.

Em 1999, foi considera a melhor atleta feminina do século XX, pela Associação Internacional das Federações de Atletismo (IAAF).

Mark Spitz, Jogos Olímpicos de Munique, 1972:

Quatro anos antes dos JO de Munique, O nadador Mark Spitz saía do México com duas melhadas: uma de bronze nos 100 metros estilo livre e uma de prata nos 100 metros mariposa.

Em Munique, superou-se ao ganhar sete medalhas de ouro e ao conseguir sete recordes mundiais.

O norte-americano alcançou o lugar mais alto do pódio nos 100 e 200 metros estilo livre e mariposa, duas vezes 4×100m livre e 4×100m medley.

Sete medalhas de ouro em modalidades individuais numa só edição das Olimpíadas é um recorde que só foi batido por Michael Phelps no Jogos de Pequim, em 2008.

Outros momentos que merecem ser destacados:

MICHAELPHELPS @ BEIJING
https://www.theguardian.com/sport/blog/2012/jun/25/50-stunning-olympic-moments-michael-phelps

ABEBEBIKILA Marathon @ROME 1960
https://www.theguardian.com/sport/blog/2012/apr/25/50-olympic-moments-abebe-bikila

CARLLEWIS @LOS ANGELES