Última hora

Última hora

Ucrânia põe em "estado de alerta" unidades do exército perto da Crimeia

Ucrânia põe em "estado de alerta" unidades do exército perto da Crimeia
Tamanho do texto Aa Aa

O presidente ucraniano, Petro Poroshenko, colocou em estado de alerta e no mais alto nível de prontidão para combater as unidades do exército na região de Donbass, perto da Península da Crimeia.

A medida foi tomada depois de a Rússia ter acusado a Ucrânia de “atos terroristas” e de tentar provocar um novo conflito na Crimeia, anexada pela Rússia em 2014.

Kiev negou as acusações de Moscovo e rebate, dizendo que o discurso dos russos é apenas uma desculpa para provocar uma guerra.

Petro Poroshenko informou, esta quinta-feira, que pediu ao ministro dos Negócios Estrangeiros para organizar conversações telefónicas para falar diretamente com Vladimir Putin, com a chanceler alemã, Angela Merkel, com o presidente francês, François Hollande, com o vice-presidente norte-americano, Joe Biden e, ainda, com o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk.

Em Moscovo, o presidente russo reuniu-se, esta quinta-feira, com o conselho de segurança do Kremlin para discutir medidas para aumentar a segurança na Crimeia.

Putin acusou Kiev de estar “a jogar um jogo perigoso” e disse não fazer sentido realizar a ronda de negociações de paz, prevista para ocorrer à margem da Cimeira do G20, na China, em setembro.

Na quarta-feira, o FSB, os serviços secretos russos, informou que foi desmantelada, recentemente, uma rede de espionagem ucraniana, na Crimeia, e que duas pessoas foram mortas em combate.

Os russos disseram, ainda, ter detido operacionais ucranianos e de terem impedido duas ações armadas que tinham como objetivo colocar sabotadores da Ucrânia na Crimeia.