EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Iémen: parlamento reúne-se pela primeira vez desde início da guerra civil

Iémen: parlamento reúne-se pela primeira vez desde início da guerra civil
Direitos de autor 
De  Euronews com REUTERS, APTN
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

No Iémen poderá estar dado o primeiro passo em direção a uma paz duradoura.

PUBLICIDADE

No Iémen poderá estar dado o primeiro passo em direção a uma paz duradoura.

O parlamento reuniu-se este sábado pela primeira vez desde o início do conflito civil há praticamente dois anos.

O parlamento é dominado pelos Houthis e os aliados do partido GPC do antigo presidente Ali Abdullah Saleh.

O ato simbólico veio reforçar o movimento Houthi que controla a capital, Sanaa.

“Reunimo-nos aqui para dar um voto de confiança ao conselho político composto pelo partido GPC, os seus aliados e os Houthis e respetivos aliados. Estes são os blocos que fazem todo o trabalho de campo”, declarou o deputado Mohammed Al Radi.

O presidente no exílio, Abd-Rabbu Mansour Hadi, apoiado pela Arábia Saudita, denunciou a sessão como ilegal, afirmando que não reconhece legitimidade às forças políticas representadas no parlamento.

Na semana passada, conversações de paz realizadas sob os auspícios da ONU revelaram-se inconclusivas.

Houthis e o partido GPC estabeleceram então um conselho de governação apesar da oposição da ONU e do governo no exílio.

Num outro desenvolvimento, pelo menos dez pessoas morreram no sábado, incluindo um número indeterminado de crianças, na sequência de um ataque aéreo contra uma escola levado a cabo pela coligação liderada pela Arábia Saudita.

O ataque teve lugar no norte da província de Saada.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Iémen responde ao ataque israelita ao porto de Hodeida

Rebeldes Houthi do Iémen atacam mais navios no Mar Vermelho e no Mediterrâneo

Houthis reivindicam ataques a contratorpedeiro dos EUA e a dois navios petroleiros