"Festa de praia" em Londres contra proibição do "burquini" em França

"Festa de praia" em Londres contra proibição do "burquini" em França
Direitos de autor 
De  Francisco Marques com afp, reuters
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Dezenas de mulheres reuniram-se diante da embaixada francesa, na capital britânica, e pediram o fim da proibição do fato de banho islâmico. O autarca londrino também critica imposição francesa.

PUBLICIDADE

Um género de festa de praia, com areia, boias e tudo o mais, exceto a água, foi a forma encontrada por dezenas de mulheres para se manifestarem esta quinta-feira em Londres contra a controversa proibição do uso de “burquinis”, uma adaptação da burca na forma de um fato de banho de corpo inteiro, em algumas praias do sul de França. O curioso e bem-disposto protesto decorreu diante da embaixada francesa, na capital britânica.

There's actual sand outside the Frenchembassy. Unfortunately for me, didn't bring my burkini today. #wearwhatyouwantpic.twitter.com/k7vuA4aA4D

— Aina Khan (@ainakhan5) 25 de agosto de 2016

Jenny Sutton, professora no colégio do nordeste de Londres, participou no evento porque considera “ultrajante que as mulheres muçulmanas sejam forçadas a despir-se em público pelas forças policiais”, numa referência ao sucedido terça-feira na praia junto ao Passeio dos Ingleses, em Nice, onde a polícia obrigou uma mulher a despir parte do vestuário que envergava por alegado desrespeito aos bons costumes e ao secularismo francês. “Para mim, aquilo foi um ataque ao direito de todas as mulheres de escolher o que querem vestir”, acusou Jeny Sutton.

Our bodies, our clothes, our choice. We stand with the women targeted by the #BurkiniBan. #WearWhatYouWantpic.twitter.com/fJG8UOhLID

— Amnesty UK (@AmnestyUK) 25 de agosto de 2016

A manifestação em Londres aconteceu ao mesmo tempo que, em Paris, era discutido em Conselho de Estado o recurso apresentado pela Liga de Direitos do Homem contra a islamofobia em França e a proibição do uso do “burquini” pela autarquia de Villeneuve-Loubet, na Côte d’Azur, um dos mais de trinta municípios gauleses a decretar esta proibição justificada com a laicidade prevista na Constituição francesa. O próprio governo de França esta dividido, com a ministra da Educação, Najat Belkacem, a considerar que as regras antiburquini reforçam as opiniões racistas. “É um desvio político grave”, acusou.

Les arrêtés anti-burkini libèrent la parole raciste, il y a là une dérive politique grave. #E1Matinhttps://t.co/lmSYNjkWta

— Najat Belkacem (@najatvb) 25 de agosto de 2016

“Estamos solidárias com as mulheres muçulmanas em França e apelamos ao fim da proibição”, resumiu India Thorogood, uma das coorganizadoras do manifesto londrino. Também o presidente da Câmara de Londres, Sadiq Khan, revelou pelas redes sociais estar contra a proibição do “burquini”: “Sou muito claro em relação a isto. Penso que ninguém pode dizer a uma mulher o que ela pode ou não pode vestir.”

I’m clear on this. I don’t think anyone should tell women what they can & can’t wear. https://t.co/RXmjNYC3Ka

— Sadiq Khan (@SadiqKhan) 25 de agosto de 2016

Resta saber se este protesto britânico vai ter eco na decisão a ser revelada esta sexta-feira pelo Conselho de Estado, em França.

When you JUST CAN'T WIN #WearWhatYouWantpic.twitter.com/F1FTRJVL2A

— Kitty TJ (@_kittytj) 25 de agosto de 2016

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Cozinhou, arrumou e até entregou refeições: príncipe William voltou aos compromissos públicos

Pós-Brexit: bebidas com baixo ou nenhum teor alcoólico serão vendidas como "vinho" no Reino Unido

Gaza na memória dos muçulmanos por ocasião do Eid al-Fitr