EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Rousseff diz que é preciso provar crime de responsabilidade

Rousseff diz que é preciso provar crime de responsabilidade
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

De consciência tranquila.

PUBLICIDADE

De consciência tranquila. Dilma Rousseff foi ao Senado dizer que não cometeu qualquer crime de responsabilidade e que o Brasil corre o risco de entrar em rutura democrática.

Esse julgamento precisa provar que houve crime de responsabilidade. E o processo evidenciou q houve integral respeito à lei #PelaDemocracia

— Dilma Rousseff (@dilmabr) August 29, 2016

A chefe de Estado brasileira com mandato suspenso, desde maio, defendeu-se perante os senadores das acusações de manipulação orçamental no âmbito do processo de destituição.

Estamos a um passo de uma grave ruptura institucional. Estamos a um passo da concretização de um verdadeiro golpe de Estado #PelaDemocracia

— Dilma Rousseff (@dilmabr) August 29, 2016

Um discurso emotivo marcado pelo trabalho feito e pelo respeito da Constituição.

A primeira mulher eleita presidente do Brasil refutou as acusações de que é alvo, disse estar a ser vítima de uma injustiça e prometeu continuar a lutar pela democracia.

Sem crime de responsabilidade, qqr processo de impeachment é um claro ataque à Constituição. #PelaDemocracia

— Dilma Rousseff (@dilmabr) August 29, 2016

Acusada de praticar manobras fiscais com o objetivo de melhorar as contas públicas e de assinar decretos a autorizar despesas que não estavam previstas no orçamento, Rousseff arrisca-se a perder o mandato e o direito a ocupar cargos públicos eletivos durante oito anos, se 54 dos 81 senadores considerarem que houve crime de responsabilidade..

Não há um traço, uma observação do Congresso dizendo q o Executivo ñ podia fazer os decretos #PelaDemocracia

— Dilma Rousseff (@dilmabr) August 29, 2016

O julgamento que começou na quinta-feira é a última fase de um processo iniciado há nove meses. A comunicação social brasileira admite os senadores votem a favor da destituição o mais tardar quarta-feira.

Se o contrato político com o povo for rompido, qualquer outro contrato poderá ser rompido #PelaDemocracia

— Dilma Rousseff (@dilmabr) August 29, 2016

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Dezenas de milhares de brasileiros saíram à rua para mostrar apoio a Bolsonaro em São Paulo

Supremo Tribunal Federal derruba tese do marco temporal

Bolsonaro acusa Tribunal Superior Eleitoral de "punhalada nas costas"