Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Apple e Irlanda contra a Comissão Europeia

Apple e Irlanda contra a Comissão Europeia
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Com Rodrigo Barbosa, Isabel Marques da Silva (Bruxelas), AFP e RTE

A Irlanda tem outros problemas com que se preocupar

John Halligan Ministro de Estado para a Formação e Inovação

A tecnológica californiana Apple não está sozinha na decisão de recorrer da sentença de Bruxelas relativamente à devolução de 13 mil milhões de euros em benefícios fiscais ao Estado irlandês.

Dublin diz que pretende também contestar a decisão da Comissão Europeia, dando assim início a uma batalha legal entre uma multinacional e um Estado soberano contra a CE.

Para o ministro da Saúde, Simon Harris, do partido de centro-direita FineGael, está em causa a soberania da Irlanda.

“O povo irlandês é muito a favor da Europa, mas não vai aceitar que burocratas europeus, que não foram eleitos, lhe digam o que fazer no país e com os negócios do país”.

A verdade é que as multinacionais instaladas na República da Irlanda empregam cerca de 10% da população ativa residente no país, ou seja, cerca de 170 mil pessoas.

A Apple dá emprego a cerca de 5 mil pessoas na Irlanda e prometeu vir a contratar mais mil pessoas. A multinacional tem as suas instalações no Condado de Cork, onde fica situada a cidade com o mesmo nome, a segunda mais importante do país.

E o Executivo prefere manter boas relações com uma marca da envergadura da Apple a abrir um precedente que poderia custar muito caro à recuperação económica do país.

John Halligan, ministro do Estado para a Formação e Inovação, não desculpa a multinacional, mas diz que a Irlanda tem outros problemas com que se preocupar:

“É verdade. Talvez a Apple devesse ter pago o dinheiro. Mas não me parece que o Governo deva ser desestabilizado ou deitado abaixo por causa deste tema,” disse Halligan.

“Há outros problemas , como o orçamento de Estado ou o Brexit. A Aliança Independente conseguiu um bom acordo. Haverá uma auditoria independente ao pagamento de impostos das multinacionais, para sabermos se pagam o que é devido,” continuou o ministro.

Irlandeses divididos

A Comissão Europeia, por seu lado, insiste nos fundamentos legais da sentença e diz que a Apple apenas tenta ganhar tempo.

Os irlandeses parecem divididos sobre a questão.

Alguns querem preservar a economia e evitar um conflito com grande empreas e outros dizem que 13 mil milhões de euros poderiam ajudar ao fim da austeridade, se fosse destinados, por exemplo, ao orçamento previsto para a saúde pública.

De resto, a quantia representa 5% do Produto Interno Bruto (PIB) da Irlanda.