Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Síria: Alepo e Idlib sob as bombas horas após novo acordo de cessar-fogo

Síria: Alepo e Idlib sob as bombas horas após novo acordo de cessar-fogo
Tamanho do texto Aa Aa

A oposição síria acusa Damasco e Moscovo de terem levado a cabo novos bombardeamentos em Aleppo e Idlib, horas depois da Rússia e dos EUA terem chegado a um acordo para uma trégua no território.

Os rebeldes afirmam que os novos ataques provocaram mais de duas dezenas de mortos em Alepo, e num mercado na cidade de Idlib.

Uma denúncia que reflete as dúvidas do Exército Livre Sírio (combatentes moderados) sobre o acordo selado esta madrugada em Genebra.

John Kerry e Serguei Lavrov tinham-se comprometido a iniciar uma trégua a partir de segunda-feira, com a criação de uma zona desmilitarizada para distribuir ajuda humanitária às zonas sitiadas de Aleppo.

O acordo prevê a coordenação dos ataques dos dois campos, se o cessar-fogo não for violado durante uma semana.

Moscovo, aliado do regime de Bashar Al-Assad, tinha garantido esta manhã o apoio do governo sírio ao acordo, saudado pela União Europeia e pela Turquia, mas recebido com o silêncio do Irão e da Arábia Saudita, de lados opostos no conflito.

A agência de notícias síria, Sanaa, confirmou esta tarde que o governo de Damasco vai respeitar a trégua e os termos do acordo.

Se Moscovo tem agora que convencer Damasco a pôr fim aos ataques sobre as posições dos rebeldes moderados, Washington, por seu lado, terá que convencer os combatentes a dissociarem-se dos grupos islamitas, nomeadamente a Frente Al-Nusra.

O Exército Livre Sírio, oposto a Assad, denuncia igualmente a forma como Damasco utilizou as tréguas efémeras do passado para ganhar terreno.