Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Trégua violenta na Ucrânia

Trégua violenta na Ucrânia
Tamanho do texto Aa Aa

A situação continua tensa entre Ucrânia, Rússia e separatistas. Depois do cessar-fogo, acordado entre Moscovo e Kiev, e que entrou em vigor esta quinta-feira, as partes dizem que o mesmo está a ser violado.

No Yalta European Strategy, um encontro anual, que decorre em Kiev, e que reúne vários países europeus, o presidente ucraniano fez exigências e lançou acusações:

“As nossas exigências são muito simples. A Rússia tem de garantir um cessar-fogo sustentável e abrangente em Donbass. Nas últimas 24 horas, quando nos foi prometido cessar-fogo, tivemos mais de 30 bombardeamentos com artilharia e morteiros, durante toda a noite”, afirmou Petro Poroshenko.

O chefe de Estado da Ucrânia acusa Moscovo de apoiar os separatistas e pediu a continuação das sanções contra a Rússia.

Rússia que se prepara para eleições para as quais prevê a participação da Crimeia, região que anexou, sem o reconhecimento internacional, nem da Ucrânia, ainda que Putin o negue:

“A Rússia não anexou nada. Tudo o que aconteceu na Crimeia é o resultado de ações ilegais das forças políticas da Ucrânia que levaram a um golpe de Estado. A Crimeia entrou para a Federação Russa como resultado da vontade das pessoas que vivem nesta terra”, afirmou Vladimir Putin.

O acordo de Minsk, intermediado pela França e Alemanha, pretendia acabar com os combates no leste da Ucrânia, entre separatistas, apoiados pelos russos, e tropas do governo ucraniano. A situação melhorou mas não o suficiente.