Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

MH17: Rússia denuncia investigação "tendenciosa"

MH17: Rússia denuncia investigação "tendenciosa"
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A Rússia diz que as conclusões da Comissão Internacional de Investigação do voo MH17 são “tendenciosas” e têm “motivações políticas”.

Na apresentação do resultado do inquérito, a equipa de investigadores indicou que o avião da Malasia Airlines derrubado a 17 de julho de 2014 no leste da Ucrânia foi abatido por um míssil terra-ar Buk, encaminhado da Rússia a pedido dos rebeldes pró-russos para o enclave separatista de Pervomaskie, na província de Donetsk, de onde foi disparado.

Numa mensagem audio, a porta-voz da diplomacia russa, Maria Zakharova, afirmou: “a Rússia está desapontada porque nada mudou na investigação sobre a queda do Boeing. As conclusões da procuradoria holandesa confirmam que a investigação é tendenciosa e tem motivações políticas. As acusações arbitrárias tornaram-se na norma para o Ocidente. Quando é que será suficiente?”

Os investigadores afirmam ter identificado uma centena de responsáveis pelo lançamento do míssil e a Holanda prepara-se agora para abrir um processo nos tribunais contra os suspeitos.

Para o presidente ucraniano, não há dúvidas. Petro Poroshenko afirmou que “as provas sobre quem executou este crime horrível e sobre quem é responsável por este ataque terrorista são conclusivas”.

O relatório indica que o equipamento usado para lançar o míssil regressou a território russo pouco depois do incidente. No ataque morreram as 298 pessoas que seguiam a bordo do avião, a maioria de nacionalidade holandesa.