EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Presidente do Afeganistão assina acordo com senhor da guerra

Presidente do Afeganistão assina acordo com senhor da guerra
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O presidente do Afeganistão, Ashraf Ghani Ahmadzai, formalizou um acordo de paz com o Hezb-i-Islam, o grupo armado liderado por Gulbuddin Hekmatyar, conhecido como “o carniceiro de Cabul” e considerad

PUBLICIDADE

O presidente do Afeganistão, Ashraf Ghani Ahmadzai, formalizou um acordo de paz com o Hezb-i-Islam, o grupo armado liderado por Gulbuddin Hekmatyar, conhecido como “o carniceiro de Cabul” e considerado um terrorista global pelos Estados Unidos.

O acordo garante imunidade ao dirigente do movimento armado e abre uma via ao possível regresso à política de Hekmatyar, que ratificou o documento por vídeo e que vive em parte incerta há anos.

“Agora é a altura para os talibã e outras partes da oposição decidirem se querem continuar a guerra ou participar nas negociações de paz.”, declarou Ashraf Ghani Ahmadzai.

No vídeo onde aparece a ratificar o documento, Hekmatyar declara também que a paz é o caminho mais vantajoso para os afegãos: “A continuação da guerra não beneficia os afegãos, mas beneficia os inimigos internos e externos do país.”

“Hekmatyar … would rocket civilian areas all the time” Afghanistan War Crimes Suspect Comes Home via HRW</a> <a href="https://t.co/bOlYgofKUg">https://t.co/bOlYgofKUg</a> <a href="https://t.co/QuCovI3Rty">pic.twitter.com/QuCovI3Rty</a></p>&mdash; Patricia Gossman (pagossman) September 29, 2016

O acordo, o primeiro de paz no Afeganistão desde 2011, é contestado dadas as acusações de abuso grave de direitos humanos e bombardeamento indiscriminado sobre Cabul na guerra civil nos anos 90, que mataram milhares.

Para alguns observadores, selar a paz com o segundo principal grupo de insurgentes do país constitui um avanço para o governo, apoiado pelo Ocidente, que tenta, desde há 15 anos, negociar a paz.

Partilhe esta notíciaComentários