Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Hungria: "Ver o humano" em cada refugiado

Hungria: "Ver o humano" em cada refugiado
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Centenas de pessoas reuniram-se, em frente ao Parlamento húngaro, num misto de manifestação, de ‘performance’ artística – sob o nome de “Testemunho” e de obra de arte gigante, chamada “Alepo.”

[Este] referendo (..) é uma vergonha para a História do meu país

Péter Horgas Cenarista e coorganizador do evento

Dizem ‘não’ ao referendo, de domingo, sobre a politica comunitária de quotas migratórias decidido pelo governo conservador de Budapeste.

Sob a palavra de ordem “ver o humano”, anónimos e artistas preparam uma obra de arte gigante que deverá correr mundo e ser enriquecida por outros artistas em cada etapa, até parar em Alepo – quando esta estiver em paz. Primeira etapa do percurso: a vizinha Sérvia.

“Esta obra de arte e esta ‘performance’ visam deixar marcas que vão muito além desta palhaçada chamada referendo. Um referendo que é uma vergonha para a História do meu país, e que, penso, causará feridas profundas que vamos ter de sarar”, explica Péter Horgas, cenarista e coorganizador do evento.

Os manifestantes recusam o discurso anti-migrantes do governo e recordam que os refugiados vêm para a Europa porque fogem da guerra em busca da paz e de um futuro melhor.

“Temos de ver o lado humano dos refugiados e não as coisas más e não concordamos com o governo que, nos últimos meses, preparou e levou a cabo uma campanha de ódio”, defende uma manifestante.

“Vemos que as pessoas podem tornar-se fanáticas – o que é muito assustador. E penso, especialmente com um bebé nos braços”, diz um pai, que continua: “que quero que ela viva num país normal – é por isso que é importante estar aqui”.

Embora sem verdadeira força legal, o referendo – que visa saber se os húngaros aceitam ou não, a relocalização de refugidos na Hungria – só será válido se a taxa de participação ultrapassar os 50%, pelo que muitos apelam à abstenção.

Andrea Hajagos, correspondente da euronews em Budapeste, confirma: As pessoas com quem falámos aqui, na sua maioria, dizem que não vão votar, no referendo. A questão é saber se vão ser a maioria ou não, no domingo.