EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Colombia:Farc pedem perdão pelos mortos causados

Colombia:Farc pedem perdão pelos mortos causados
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A poucos dias do plebiscito em que os colombianos decidirão se aprovam ou não o acordo de paz com as Forças Armadas Revolucionárias da Colombia (Farc), a guerrilha pede perdão às vítimas do conflito a

PUBLICIDADE

A poucos dias do plebiscito em que os colombianos decidirão se aprovam ou não o acordo de paz com as Forças Armadas Revolucionárias da Colombia (Farc), a guerrilha pede perdão às vítimas do conflito armado mais longo da História da América Latina.

O líder rebelde Iván Márquez deslocou-se à cidade de Apartadó, onde 35 pessoas foram mortas pelos guerrilheiros em 23 de janeiro de 1994.

Além das 35 vítimas fatais, 17 pessoas ficaram feridas na ação da guerrilha. De acordo com a rádio colombiana Caracol, será anunciada a construção de um parque como símbolo da reconciliação entre as Farc e as vítimas.

Na quinta-feira, com a oferenda de uma imagem de um Cristo negro, o grupo pediu perdão pela morte de 79 pessoas em uma igreja do povoado de Bojayá, no Noroeste da Colombia. O massacre ocorreu em maio de 2002, quando rebeldes bombardearam o templo com mísseis de fabricação artesanal.

As Farc, que na segunda-feira assinaram um histórico acordo de paz com o presidente Juan Manuel Santos, combatiam nesta região contra esquadrões paramilitares de extrema-direita. O conflito de 52 anos deixou 220 mil mortos e milhões de deslocados.

Como parte do acordo de paz, os sete mil guerrilheiros abandonaram as armas e poderão formar um partido político para defender seus ideias.

Os guerrilheiros são responsáveis ​​por assassinatos, massacres, sequestros, recrutamento de crianças e milhares de ataques contra as Forças Armadas e a infraestruturas económica do país.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Colômbia: A paz nas mão dos colombianos

Eleições europeias: O que é que os eleitores querem e o que é que os candidatos prometem?

Partido dos Finlandeses expulsa deputado por alegado envolvimento num tiroteio