Última hora

Última hora

Colômbia diz "Não" ao acordo de paz assinado com as FARC

Colômbia diz "Não" ao acordo de paz assinado com as FARC
Tamanho do texto Aa Aa

A pergunta do referendo era se os colombianos apoiavam o acordo de paz assinado no dia 26 de setembro entre as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia e o Presidente Juan Manuel Santos.

Ganhou o não, com pouco mais de 50% dos votos. Em 14 distritos a rejeição do acordo liderou. Nas grandes cidades, o sim prevaleceu.

O Presidente reconheceu a derrota, depois de ter feito do alcance da paz a meta da presidência:

“Agora vamos decidir qual é o caminho a tomar para que essa paz – que todos queremos – seja possível e saia reforçada desta situação. Não me vou render, continuarei a lutar pela paz até ao último minuto do meu mandato.”

Timochenko, nome de guerra do líder das FARC e que agora assume o nome de batismo com que se tornou signatário do acordo, declarou também que a violênca armada não tem lugar e que o pacifismo se mantém enquanto objectivo:

“As FARC mantêm a sua vontade de paz e reiteram a intenção de usar apenas palavras como armas para a construção do futuro.”

Os defensores do “não” ao acordo de paz argumentam que este deixa impunes crimes de guerra graves e prevê uma integração na vida política activa do país de guerrilheiros desmobilizados que não deve ter lugar.

Francisco Santos, que fez campanha pelo voto discordante, declarou:
“O triunfo do não é o triunfo de uma paz mais inclusiva, paz que nos inclui a todos, mais estável. Às FARC digo: “Calma, porque vamos garantir a conclusão deste processo.”

O acordo, negociado em Havana nos últimos 4 anos, teve o apoio unânime da comunidade internacional.

O resultado é inesperado, tendo o Presidente dito antes do referendo não ter um plano B para o caso de o não ganhar, como se verificou e marcou uma reunião de emergência do governo para esta segunda feira.