EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Rússia suspende "pacto plutónio" e relança clima de guerra fria

Rússia suspende "pacto plutónio" e relança clima de guerra fria
Direitos de autor 
De  Dulce Dias com Lusa, Reuters, Sputnik
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A Rússia suspendeu unilateralmente o pacto plutónio", assinado em 2000, com os Estados Unidos. Em causa: as "ações inamistosas" de Washington

PUBLICIDADE

A Rússia suspendeu, esta segunda-feira, unilateralmente, o chamado “pacto plutónio”, concluído em 2000, com os Estados Unidos.

Moscovo justifica o decreto de suspensão com as “ações inamistosas” de Washington em relação à Rússia.

Para retomar o acordo – que prevê a reciclagem de dezenas de toneladas de plutónio provenientes de ogivas nucleares – Moscovo impõe condições.

Russia's Lavrov – suspension of plutonium accord a signal to Washington https://t.co/Xi49v7RjnNpic.twitter.com/lFDkDAvtSs

— Reuters UK (@ReutersUK) October 3, 2016

A começar pelo fim das sanções que os Estados Unidos infligiram à Rússia – por diversas razões mas também pela anexação da Crimeia – e pela respetiva indemnização das perdas causadas por essas mesmas sanções.

A Rússia quer igualmente que os Estados Unidos reduzam as infraestruturas e as tropas presentes nos países do Leste da Europa, antigos satélites ou mesmo ex-repúblicas soviéticas que, entretanto, aderiram à NATO.

O decreto – já assinado pelo presidente russo, mas que carece ainda da aprovação parlamentar – prevê igualmente que Washington anule o chamado “Magnitsky Act” – a legislação norte-americana que prevê sanções contra todos os cidadãos russos suspeitos de implicação na morte do advogado Serguei Magnitsky, símbolo da luta anticorrupção.

Here is an unofficial translation, by CENESS in Moscow, of the decree suspending plutonium disposition. pic.twitter.com/A4SN9buhxw

— Jeffrey Lewis (@ArmsControlWonk) October 3, 2016

O “pacto plutónio” integra-se na luta contra a proliferação de armas nucleares mas, na prática, nunca foi aplicado. Em 2010, Moscovo e Washington assinaram um protocolo adicional para o tornar efetivo a partir de 2018.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Tribunal russo condena soldado americano a quase quatro anos de prisão por roubo

Kim e Putin encontram-se em Pyongyang para expandir a cooperação económica e militar

Familiares de soldados ucranianos em cativeiro protestam em Kiev