Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Rússia suspende "pacto plutónio" e relança clima de guerra fria

Rússia suspende "pacto plutónio" e relança clima de guerra fria
Tamanho do texto Aa Aa

A Rússia suspendeu, esta segunda-feira, unilateralmente, o chamado “pacto plutónio”, concluído em 2000, com os Estados Unidos.

Moscovo justifica o decreto de suspensão com as “ações inamistosas” de Washington em relação à Rússia.

Para retomar o acordo – que prevê a reciclagem de dezenas de toneladas de plutónio provenientes de ogivas nucleares – Moscovo impõe condições.

A começar pelo fim das sanções que os Estados Unidos infligiram à Rússia – por diversas razões mas também pela anexação da Crimeia – e pela respetiva indemnização das perdas causadas por essas mesmas sanções.

A Rússia quer igualmente que os Estados Unidos reduzam as infraestruturas e as tropas presentes nos países do Leste da Europa, antigos satélites ou mesmo ex-repúblicas soviéticas que, entretanto, aderiram à NATO.

O decreto – já assinado pelo presidente russo, mas que carece ainda da aprovação parlamentar – prevê igualmente que Washington anule o chamado “Magnitsky Act” – a legislação norte-americana que prevê sanções contra todos os cidadãos russos suspeitos de implicação na morte do advogado Serguei Magnitsky, símbolo da luta anticorrupção.

O “pacto plutónio” integra-se na luta contra a proliferação de armas nucleares mas, na prática, nunca foi aplicado. Em 2010, Moscovo e Washington assinaram um protocolo adicional para o tornar efetivo a partir de 2018.