EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Síria: Derrota em Daqib põe fim à "profecia" do grupo Estado Islâmico

Síria: Derrota em Daqib põe fim à "profecia" do grupo Estado Islâmico
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O grupo Estado Islâmico (EI) perdeu este domingo o controlo sobre a cidade de Daqib na Síria, um bastião da propaganda dos islamitas, no noroeste do país.

PUBLICIDADE

O grupo Estado Islâmico (EI) perdeu este domingo o controlo sobre a cidade de Daqib na Síria, um bastião da propaganda dos islamitas, no noroeste do país.

Os rebeldes do Exército Livre Sírio, apoiados por tanques e caças turcos, afirmam controlar a cidade, assim como a localidade vizinha de Soran, após o que consideram ser uma “vitória simbólica”.

#Dabiq finally liberated from #Daesh terrorists after two-year captivity. Here are the first footages from #Dabiq#EuphratesShieldpic.twitter.com/unnWIZrtm1

— EuphratesShield (@EuphratesShield) October 16, 2016

Segundo uma profecia islâmica, evocada pela propaganda do EI, Daqib seria a cidade onde uma batalha entre muçulmanos e “infiéis” deveria anunciar o início do apocalipse.

A derrota ocorre quase dois meses após as forças turcas terem lançado a operação “Escudo de Eufrates” para expulsar os combatentes islamitas da zona fronteiriça entre a Síria e a Turquia.

As tropas turcas e os rebeldes preparam-se agora para avançar sobre al-Bab, a sudeste da cidade.

O grupo armado controla ainda uma grande área da bacia do Eufrates, de Al-Bab até à fronteira com o Iraque. Segundo a firma americana IHS o autoproclamado “califado” perdeu quase um terço do seu território, de 90.800 Km2 no início de 2015, a 68.300Km2 atualmente.

Mais a sul e noutra frente de batalha, a aviação russa e síria voltaram a bombardear este domingo o leste da cidade de Alepo, às mãos dos rebeldes, provocando a morte de pelo menos 40 civis e ferindo dezenas de pessoas.

Cerca de 250 mil pessoas permanecem sitiadas em Alepo, onde os bombardeamentos visaram nas últimas semanas vários hospitais, agravando a crise humanitária na localidade.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Síria: John Kerry e Boris Johnson pedem mais sanções contra a Rússia

EUA esperam resposta positiva de Israel sobre acordo de cessar-fogo e de reféns em Gaza

Israel ataca unidade de defesa aérea no sul da Síria com mísseis