Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Batalha por Mossul ameaça a vida de 600 mil crianças

Batalha por Mossul ameaça a vida de 600 mil crianças
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Os combates e os bombardeamentos em Mossul começaram segunda-feira e deverão prolongar-se até que último grande bastião no Iraque do grupo terrorista Estado Islâmico seja reconquistado. A ofensiva conhecida por “batalha por Mossul” está, contudo, a ameaçar a vida de mais 1,2 milhões de civis, incluindo 600 mil crianças, alerta o gabinete das Nações Unidas para a Coordenação dos Assuntos Humanitários (OCHA, na sigla inglesa).

A operação militar está em curso em Mossul e estou segura de que os civis -- as crianças e todas as pessoas -- estão muito preocupadas, podem tentar fugir e ser apanhadas pelo fogo cruzado.

Katharina Ritz Cruz Vermelha Iraque

Estima-se que cerca 1,5 milhões de pessoas permaneçam em Mossul. A Organização Internacional para a Migração (IOM) adianta que 5400 pessoas já terão fugido da cidade devido às operações militares em curso há pouco mais de 24 horas.


 

Números de pessoas obrigadas a fugir no Iraque:

  • 1,5 milhões de civis permanecem em Mossul (UNOCHA);
  • 1,2 milhões de civis estão perigo em Mossul — 600.000 serão crianças (UNOCHA);
  • 5400 pessoas deslocadas de Mossul (IOM);
  • 166,285 deslocados de Erbil, Ninewa, Salah al-Din e Kirkuk desde abril (UNOCHA);
  • 3,3 milhões de deslocados no país desde janeiro de 2014 (UNOCHA);
  • 233,489 refugiados iraquianos fugiram para outros países vizinhos (UNOCHA).

Perante a violência dos combates, a Cruz Vermelha Internacional apela a todos os envolvidos na ofensiva a pouparem os civis e a permitirem a evacuação em segurança dos feridos.

“A nossa principal preocupação, neste momento, é a população civil. A operação militar está em curso em Mossul e estou segura de que os civis — as crianças e todas as pessoas — estão muito preocupadas, podem tentar fugir e ser apanhadas pelo fogo cruzado”, alertou a chefe da delegação da Cruz Vermelha no Iraque.

Katharina Ritz estimou ainda que o seu organismo poderá vir “a ajudar cerca de 800 mil pessoas nos próximo meses”, na sequência desta operação em Mossul.

Vários campos de acolhimento de refugiados estão a ser preparados por diversas organizações humanitárias. A Agência da ONU para os Refugiados (ACNUR), por exemplo, pretende montar mais 11 acampamentos para lá dos cinco já existentes e à espera de 45 mil refugiados.

Perante a situação crítica em Mossul, William Spindler, o porta-voz do Alto Comissário das ONU para os Refugiados, receia que estejamos a caminho de uma “catástrofe” humanitária para a qual será necessária a maior e mais complexa resposta global deste ano.