Iraque: Daesh usa civis como escudos humanos

Iraque: Daesh usa civis como escudos humanos
De  Miguel Roque Dias com Reuters
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O grupo Estado Islâmico tentou transportar, na segunda-feira, cerca de 25.

PUBLICIDADE

O grupo Estado Islâmico tentou transportar, na segunda-feira, cerca de 25.000 civis de uma localidade, a sul de Mossul, para o centro da cidade. Segundo as Nações Unidas, o objetivo do Daesh era usar essas pessoas como escudos humanos na ofensiva contra as tropas iraquianas.

Segundo a Organização Internacional para as Migrações, cerca de 18.000 iraquianos foram deslocados desde o início da ofensiva, a 17 de outubro.

“Quando o Daesh lá estava, era muito mau. Estávamos prisioneiros. Era um inferno. Não havia comida, água, ajuda, nada! Agora, as coisas estão melhores”, disse um iraquiano.

Como retaliação contra as forças iraquianas, que esta terça-feira entraram em Mossul, o EI executou 40 antigos membros das forças de segurança iraquianas, que tinham sido feitos reféns.

Iraq tells IS in Mosul 'surrender or die' https://t.co/DQxyyCQW70pic.twitter.com/A3RadzPjyu

— Reuters TV (@ReutersTV) November 1, 2016

Nos últimos dias, centenas de pessoas têm conseguido fugir dos territórios controlados pelos jihadistas e procurado refugio junto das tropas de Bagdade.

Um iraquiano conta que atravessaram “três aldeias até chegarmos aqui… Há crianças, idosos, doentes… É miserável, mas só nos podemos queixar a Deus.”

Com a intensificação dos combates contra as forças iraquianas, e com os jihadistas cada vez mais acuados, a situação dos habitantes de Mossul torna-se cada vez mais difícil.

As autoridades calculam que possam ainda estar mais de um milhão e meio de pessoas na cidade e temem, agora, que sejam usadas como escudos humanos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Iraque: Incêndio num casamento faz mais de uma centena de mortos entre eles os noivos

Ressurgimento do terrorismo no Mali

Encontradas gravuras com 2700 anos no Iraque