EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Mediterrâneo: 239 migrantes morrem afogados em dois naufrágios

Mediterrâneo: 239 migrantes morrem afogados em dois naufrágios
Direitos de autor 
De  Miguel Roque Dias com Reuters; AFP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Cerca de 240 migrantes morreram afogados em dois naufrágios, esta quinta-feira, ao largo da costa da Líbia, no Mar Mediterrâneo.

PUBLICIDADE

Cerca de 240 migrantes morreram afogados em dois naufrágios, esta quinta-feira, ao largo da costa da Líbia, no Mar Mediterrâneo.

Pelo menos 110 pessoas morreram num primeiro naufrágio de uma embarcação que transportava mais de 140 pessoas.

Uma segunda embarcação terá, também, desaparecido no mar. 129 pessoas terão perecido.

Segundo o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados, estes migrantes serão originários da África Ocidental.

A porta-voz da ONU, Carlotta Sami, afirmou que a informação foi confirmada por dois sobreviventes que conseguiram chegar à ilha de Lampedusa, em Itália.

As new rescue operations ongoing in the Mediterranean, survivors are telling us about 2 new shipwrecks. At least 239 persons are missing

— Carlotta Sami (@CarlottaSami) November 3, 2016

Segundo a Organização Internacional para as Migrações, mais de 4200 migrantes morreram no Mar Mediterrâneo, a tentar chegar à Europa, desde o início de 2016.

2 migrants boats sink off coast of Libya. Survivors say at least 240 are dead or missing. https://t.co/yBQNptntzapic.twitter.com/l2Mu9ZxfSZ

— Jim Roberts (@nycjim) November 3, 2016

A OIM informou que, em outubro, conseguiram chegar a Itália mais de 27.300 migrantes, fazendo com que o número total de chegadas, desde janeiro, ultrapasse já os 158.000.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Duas semanas após a catástrofe, Líbia recupera dezenas de corpos no mar

Centenas de manifestantes em Derna num protesto contra as autoridades

Má gestão e corrupção terão amplificado tragédia na Líbia