Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

"Ação" é a palavra de ordem da COP 22 em Marrocos

"Ação" é a palavra de ordem da COP 22 em Marrocos
Tamanho do texto Aa Aa

De 7 a 18 de novembro, Marrquexe oferece outra oportunidade aos países que ratificaram a convenção sobre o clima de avaliar as responsabilidades de cada um e desenvolver um quadro de negociação dos compromissos alcançados na COP 21, em Paris.

Ségolène Royal presidente da COP21 e ministra francesa do Ambiente, da Energia e do Mar passou o testemunho à presidência de Salaheddine Mezouar, ministro marroquino dos Negócios Estrangeiros e presidente da COP22.

Para Said Mouline, responsável pelas parcerias publico-privadas junto do comité da COP22, “Esta é a COP da ação, para mostrar que, com a tecnologia e o investimento financeiro pró-ambiental, as ações que têm vindo a ser discutidas há 20 anos podem, enfim, concretizar-se. Os projetos que temos aqui, no nosso país – Marrocos – são bastante interessantes”, afirma. “Desenvolvemos projetos de energia solar, eólica de eficácia energética para a agricultura. Isto são ideias que interessam aos cidadãos e sobretudo nos países do sul. Queremos provar que as COP, produzem ações concretas, projetos concretos para melhorar coisas como a segurança alimentar, o acesso à água, a luta contra a desertificação… Todas estas questões… que há verdadeiros projetos para os cidadãos dos países do sul”, conclui.

Todos os atores – fora do âmbito dos Estados – envolvidos na luta contra as mudanças climáticas estão concentrados na zona verde. Uma área onde há exposições, conferências, campanhas de sensibilização e atividades de partilha de experiências de boa conduta ambiental, assim como apresentação de iniciativas a favor do clima.
Nesta zona verde, cada dia será consagrado a uma temática – desde o acesso à água potável à agricultura, passando pela educação dos jovens.

O presidente do Conselho Nacional dos Direitos Humanos, Driss El Yazami, explica:
“É na zona azul que a sociedade civil apresenta as suas propostas ou exigências às delegações governamentais e aos negociadores, pedindo a aceleração das ações e a entrada em vigo,r o mais depressa possível, do acordo de Paris. Apenas a sua aplicação porque não pode haver uma transição energética para os povos do sul sem articulação com o desenvolvimento. Precisamos de uma transição justa, que tenha em conta que os povos do sul não são responsáveis pela situação a que chegámos”.

Para além das opiniões que cada um possa exprimir, o grande desafio de Marraquexe é conseguir fixar a data de decisão sobre sobre as regras de aplicação do acordo de Paris. Como refere a correspondente da euronews em Marrocos, Kawtar Wakil: “La COP22 será, portanto, uma conferênia de ação. O reino de Marrocos quer mostrar ao mundo que está fortemente empenhado na energia solar e eólica e que podemos trabalhar conciliando desenvolvimento económico e luta contra o aquecimento climático”.