EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Humanos congelados após a morte e ressuscitados 100 anos depois: será mesmo possível?

Humanos congelados após a morte e ressuscitados 100 anos depois: será mesmo possível?
Direitos de autor 
De  Francisco Marques com Lusa, The Sun, Financial Times
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O caso de uma adolescente de 14 anos autorizada pelo Supremo Tribunal de Londres a ser criopreservada nos Estados Unidos está a aleimentar a discussão.

PUBLICIDADE

Está lançado o debate da criopreservação de corpos humanos no Reino Unido. A decisão de um juiz britânico conhecida esta esta semana de permitir a uma rapariga de 14 anos entrar num programa de criopreservação após a morte está a alimentar a discussão.

A rapariga soube que tinha um cancro terminal em agosto do ano passado. Pouco tempo antes de morrer, enviou uma emotiva carta ao tribunal a pedir que fosse concedida à mãe a autorização total para tratar dos seus restos mortais e transferi-los para uma instituição dedicada à criopreservação humana — há três no mundo: duas nos Estados Unidos, a Alcor (foto no topo da página) e a Cryonics; e uma na Rússia, a KrioRus.

O juiz Peter Jackson, do Supremo Tribunal de Londres, decidiu quarta-feira a favor da adolescente. Zoe Fleetwood, a advogada da rapariga criopreservada fala-nos de uma jovem mulher “de 14 anos, esperta, inteligente, articulada e determinada”. “Ela conhecia ao detalhe o processo que pretendia realizar, conseguiu convencer-me e ao tribunal da sua maturidade e capacidade para tomar uma decisão destas”, destacou.

Dead teen wins landmark cryogenics High Court battle https://t.co/bQtdFDqJtJ

— The Independent (@Independent) 18 de novembro de 2016

O sonho da rapariga é ser ressuscitada quando houver cura para o cancro de que foi vítima e poder continuar a viver. “Tenho apenas 14 anos e não quer morrer, mas sei que vou morrer. Penso que ser criopreservada dá-me uma oportunidade de ser curada e ser acordada mesmo daqui a centenas de anos. Não quer ser enterrada”, escreveu ela ao tribunal.

A rapariga criopreservada não foi identificada por questões legais, mas a imprensa está a referir-se a ela como “JS”. Sem contacto com o pai desde bebé, foi à mãe que confiou o processo, sobre o qual passou meses a estudar.

Também a debater-se contra um cancro, o pai soube há pouco tempo do pedido da filha e opôs-se, acusando as clínicas de criopreservação de lucrarem milhões com a esperança das pessoas. Mas não só.

“Mesmo que o procedimento seja um sucesso e ela for ressuscitada, digamos, daqui a 200 anos: ela pode não encontrar qualquer familiar e nem sequer ter memória do que se passou. Pode acabar numa situação de desespero, por só ter 14 anos, e vai estar nos Estados Unidos”, antecipou.

Criopreservação é uma opção para evitar morte de uma doença incurável?https://t.co/bXWS21KOoY

— Sputnik Brasil (@sputnik_brasil) 18 de novembro de 2016

O progenitor recusou comparticipar nos cerca de 30 mil euros necessários para a filha ter acesso à criopreservação. Os avós da menina assumiram a despesa. Mais tarde o pai haveria de se conformar. “Eu respeito a decisão dela. É a última e única coisa que ela me pediu”, terá dito ao juiz o pai, que chegou a estar a fazer tratamento no mesmo hospital da filha sem que ela soubesse da proximidade.

Qual será, no entanto, o futuro de “JS”? Poderá ela de facto ser ressuscitada no futuro? E estará ela apta a poder recuperar a vida que tinha antes da doença?

Cryogenics: does it offer humanity a chance to return from the dead? https://t.co/qKNTn27Nx3

— The Guardian (@guardian) 18 de novembro de 2016

Médica de clínica geral no Reino Unido e estrela da especialidade nos meios de comunicação social britânicos, Ellie Cannon argumenta que “ninguém sabe o que irá acontecer a esta rapariga daqui a 100 anos em termos de criogenia”.

“Nem se ela poderá ou não ser ressuscitada. Parece um filme de ficção cientifica e uma falsa esperança pode ser muito prejudicial para a mãe e para o luto pela perda da filha. Em que altura irá a mãe acabar por aceitar o sucedido?” pergunta a médica generalista.

O cadáver desta rapariga britânica está em criopreservação no Instituto Cryonics, nos Estados Unidos. O corpo da adolescente foi colocado num contentor especial e está a ser preservado a uma temperatura de 196 graus negativos junto a cinco outros cadáveres, numa medida da clínica para poupar espaço.

O Instituto Cryonics reportou quarta-feira a entrada da rapariga no programa de criopreservação como “o paciente 143”, “uma mulher de 14 anos de Londres”, lia-se no relatório, entretanto fechado ao público “a pedido da família da paciente”.

Depois da adolescente, os corpos de duas outras pessoas deram entrada mesmo programa: uma mulher de 56 anos de Nova Iorque (paciente 144) e uma outra de 78 do Michigan (paciente 145).

Here's the patient report on the 14-year-old girl from the Michigan-based Cryogenics Institute: pic.twitter.com/u0SFT0DRh7

— Simon Cullen (@Simon_Cullen) 18 de novembro de 2016

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Imprensa russa anuncia falsa morte do rei Carlos III

Biólogos investigam encalhe de um grande número de baleias na Escócia

Debandada em evento religioso na Índia mata mais de 100 pessoas