Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

A matemática e geometria da dança

A matemática e geometria da dança
Tamanho do texto Aa Aa

“A Grande Fuga” é um dos últimos trabalhos de Beethoven, cheio de desespero mas também de entusiasmo.

Dois mestres da dança contemporânea tinham-na já encenado em Lyon. Agora é a vez de Lucinda Childs, uma das mais importantes representantes da Dança Moderna nova-iorquina.

A lenda da dança, delicada e resoluta, chega ao ballet da Ópera de Lyon.

Em Nova Iorque, na década de 1960, Lucinda Childs desenvolveu um estilo minimalista que chocou o mundo da dança. Fazia os seus espetáculos em lofts, garagens e galerias.

Hoje, o seu estilo é menos radical, mas ainda minimalista.

Uma coreografia harmoniosa, pensada a partir de cima como um jogo de tabuleiro.

A dança entrelaça-se com a geometria, num palco inspirado em folhas de papel quadriculado, com ornamentos barrocos.

Dominique Drillot é o designer de palco, luz e criou também os figurinos. Ele trabalha com a coreógrafa há 15 anos.

“A Grande Fuga”, e num primeiro olhar, não é muito cativante. Os críticos contemporâneos descreveram-na como “incompreensível como o chinês”.

Hoje é considerada uma das maiores realizações de Beethoven, cheia de entusiasmo e desespero. Quando a compôs, o compositor estava quase surdo.

Para a Opera de Lyon, é a terceira interpretação desta ópera de Beethoven.

Desde 2006 que produções dos coreógrafos Anne Teresa de Keersmaeker e Maguy Marin fizeram parte do repertório.

Lucinda Childs estreia o seu novo trabalho no dia 17 de novembro, dia em que são apresentadas, e pela primeira vez, as várias interpretações da obra, uma após a outra.