EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Assim era a "Ekecheiria": a trégua olímpica que a ONU quer trazer de volta

Acendimento da chama olímpica em Olímpia, Grécia, para os Jogos de Londres em 2012.
Acendimento da chama olímpica em Olímpia, Grécia, para os Jogos de Londres em 2012. Direitos de autor Petros Giannakouris/AP
Direitos de autor Petros Giannakouris/AP
De  Roberto Macedonio VegaMaría Muñoz Morillo com Euronews en español
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em espanhol

Em 2023, uma resolução da Assembleia Geral da ONU fez apelo a um cessar-fogo nos conflitos em curso por ocasião dos Jogos Olímpicos. Putin não o excluiu. A Euronews fala com o Comité Olímpico Internacional, historiadores e especialistas sobre esta possibilidade.

PUBLICIDADE

Era o que acontecia sempre que se realizavam os Jogos Olímpicos na Grécia Antiga: as guerras paravam. Os exércitos das diferentes "polis" em confronto interrompiam a sua atividade para que os atletas pudessem chegar em segurança ao vale de Olímpia, onde decorria a competição em honra de Zeus.

Atualmente, há oito guerras ativas no mundo, incluindo na Ucrânia e em Gaza, mas a possibilidade de tréguas como as da Grécia clássica parece remota, embora até Putin tenha falado sobre isso com Xi Jinping durante a sua visita à China e, como o próprio disse, "poucos países costumam respeitá-las", pelo que parece que não está aberto a parar o conflito em curso na Ucrânia, embora também não tenha excluído essa opção.

"Ekecheiria" na etimologia grega

A realidade é que esta trégua, ou "ekecheiria" na etimologia grega, era geralmente respeitada na antiguidade e as Nações Unidas tentaram, em várias ocasiões, reavivar esta tradição, embora nem sempre com sucesso.

Acendimento da chama olímpica em Olímpia, onde se realizavam os Jogos Olímpicos na Antiguidade.
Acendimento da chama olímpica em Olímpia, onde se realizavam os Jogos Olímpicos na Antiguidade.THANASSIS STAVRAKIS/2009 AP

Para os Jogos Olímpicos deste ano, a Assembleia Geral da ONU adaptou uma resolução, em 21 de novembro de 2023, que instava os países em conflito a fazerem um cessar-fogo durante a competição.

Por favor, vamos dar uma oportunidade à paz
Thomas Bach
Presidente do Comité Olímpico Internacional

Até o presidente do Comité Olímpico Internacional apelou às nações participantes para "adoptarem a resolução no espírito olímpico e manterem a nobre trégua", durante um discurso que terminou com um apelo à ONU: "Por favor, vamos dar uma oportunidade à paz.

Quanto à possibilidade de a guerra na Ucrânia parar, o Comité Olímpico reconhece que é remota. Ouvidos pela "Euronews", os membros da organização afirmam que "a invasão da Ucrânia pela Rússia teve lugar durante os Jogos de Inverno de 2022, o que já era uma violação da trégua olímpica". Com esta história em cima da mesa, não parece que Putin vá respeitar os jogos deste verão.

Quando é que houve tréguas olímpicas?

Os Jogos Olímpicos de 2024 não foram a única vez em que as Nações Unidas instaram os países a depor as armas em prol da paz e do desporto. Adolfo Jerónimo Domínguez, professor de História Antiga na Universidade Autónoma de Madrid, recorda que, em 1993, "a ONU retomou o conceito de trégua olímpica e instou os Estados a iniciá-la sete dias antes da abertura e a mantê-la até sete dias depois do encerramento".

O então secretário-geral da ONU, Kofi Annan, e o presidente do COI, Jacques Rogge, reúnem-se em 2006 para discutir uma possível trégua olímpica.
O então secretário-geral da ONU, Kofi Annan, e o presidente do COI, Jacques Rogge, reúnem-se em 2006 para discutir uma possível trégua olímpica.ANDREE-NOELLE POT/AP

"Vimos que o mundo moderno nem sempre respeita as tréguas. Quando se tentou observá-la, houve também um aspeto negativo, que é o dos boicotes; Estados que, por qualquer razão, não concordam com este ideal e o quebram", acrescenta o especialista.

A trégua olímpica era respeitada na Antiguidade?

Esta questão não é exclusiva dos dias de hoje, embora pareça que na antiguidade se respeitava mais a decisão de pôr termo aos conflitos. Yioula Salesiotou, responsável pelos assuntos culturais da embaixada grega em Espanha, disse à Euronews que as tréguas, "apesar de não serem obrigatórias, só foram quebradas duas vezes nos 1200 anos dos Jogos".

Templo de Olímpia, onde se realizavam os Jogos Olímpicos na Antiguidade.
Templo de Olímpia, onde se realizavam os Jogos Olímpicos na Antiguidade.PETROS GIANNAKOURIS/AP

Os gregos mantiveram os seus confrontos apenas "em 420 a.C., quando Esparta atacou Leprosus (cidade dos Élides), e em 362 a.C., quando os Élides lutaram contra Pisa (reino dos Élides) em território sagrado", acrescenta Salesiotou.

Os Jogos Olímpicos eram uma celebração religiosa e sagrada

Há uma razão para que esta civilização respeite tanto o cessar-fogo: os Jogos Olímpicos eram uma celebração religiosa e sagrada. Como explica o diretor dos Assuntos Culturais, "era a mais antiga festa religiosa em honra do deus Zeus, o pai dos deuses".

O aspeto divino destas competições é bem conhecido dos historiadores. "Faziam parte de um ritual, um ritual religioso, não podemos esquecer que Olímpia, juntamente com Delfos, eram santuários. Um em honra de Zeus e o outro em honra de Apolo", explica Francisco Javier Gómez, professor de História Antiga na Universidade de Alcalá.

Os atacantes podiam esperar o castigo dos deuses.
Francisco Javier Gómez
Catedrático de História Antiga

A competição em si era considerada "uma cerimónia religiosa e sagrada. Se as tréguas fossem quebradas e os peregrinos que iam prestar culto a Zeus através dos Jogos fossem atacados, os atacantes poderiam esperar o castigo dos deuses", acrescenta.

No entanto, as hostilidades entre as polis em conflito continuaram e apenas "a passagem segura dos atletas e dos espectadores pelos seus territórios" foi respeitada, diz Yioula Salesiotou, para que todos pudessem honrar os seus deuses. "As tréguas visavam proteger o direito de passagem dos atletas e dos espectadores", acrescenta.

Templo de Olímpia, onde se realizavam os Jogos Olímpicos na Antiguidade.
Templo de Olímpia, onde se realizavam os Jogos Olímpicos na Antiguidade.PETROS GIANNAKOURIS/AP2008

No entanto, numa altura em que as comunicações eram complicadas e as distâncias eram muito grandes, havia todo um protocolo para anunciar o início dos Jogos Olímpicos e, por sua vez, do armistício. O papel dos embaixadores era fundamental. "Eram sagrados e tinham uma espécie de imunidade para proclamar as tréguas", explica Francisco Javier Gómez.

PUBLICIDADE

Adolfo Jerónimo Domínguez explica que estes altos diplomatas da Antiguidade estavam perfeitamente identificados. Levavam carros e estandartes para que todos soubessem que eram embaixadores sagrados, mas, mesmo assim, havia zonas onde podiam ser atacados; conhecemos casos em que estas pessoas foram raptadas em troca de resgate.

Como eram os Jogos Olímpicos na Antiguidade?

No entanto, os Jogos Olímpicos eram sobretudo respeitados para a glória dos seus próprios deuses e os atletas eram "os grandes heróis nacionais, as suas vitórias eram individuais, mas imediatamente a 'polis' assumia-as como um elemento de prestígio, porque ter muitos vencedores olímpicos era um facto muito importante, tanto que, por vezes, lhes davam o direito de serem alimentados com um cargo público vitalício, faziam-lhes monumentos e cantavam-lhes canções", acrescenta o professor.

Acendimento da chama olímpica em Olímpia, Grécia, em 1976.
Acendimento da chama olímpica em Olímpia, Grécia, em 1976.Anonymous/1976 AP

O desporto, para os gregos, era muito mais do que uma atividade física, razão pela qual ganhar estas competições era tão importante. O responsável pelos assuntos culturais da embaixada grega em Espanha salienta que o desporto era "um elemento-chave da vida política , através do qual incutiam nos jovens a fé na pátria e nos deuses, bem como o sentimento de pertença e o respeito pelos mais velhos".

Estavam a preparar-se para o serviço militar iminente, para a guerra e, claro, para a vida de cidadão.
Yioula Salesiotou
Chefe dos Assuntos Culturais da Embaixada da Grécia em Espanha

"Os jovens, através das competições, preparavam-se para o serviço militar, para a guerra e, claro, para a vida do cidadão em geral", acrescenta. E por isso, o triunfo desportivo estava também associado, diz Francisco Javier Gómez, "ao prestígio e à glória de cada cidade".

PUBLICIDADE

O historiador sublinha que a trégua olímpica "é o legado que devemos ter do mundo antigo e dos gregos". No entanto, tendo em conta os últimos acontecimentos, parece que esta tradição pacifista em honra dos deuses está longe de ser respeitada este ano em que, se tudo continuar como até aqui, os ataques não cessarão em prol da paz e do desporto.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Putin admite trégua durante os Jogos Olímpicos

Rio2016: Inaugurado o Muro da Trégua Olímpica

Chama olímpica ilumina a parada militar do Dia da Bastilha em França