A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

François Fillon promete sacrificar muitos dos benefícios sociais dos franceses

François Fillon promete sacrificar muitos dos benefícios sociais dos franceses
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Com a vitória nas primárias da direita francesa, François Fillon vê-se já como o potencial futuro presidente. Com uma esquerda enfraquecida pelo mandato de François Hollande e sem uma liderança forte, os analistas são unânimes a considerar que o candidato dos Republicanos tem grandes hipóteses de ganhar as presidenciais de 2017.

Próximo das convicções da “Manif Pour Tous” – um movimento conservador em matéria de direitos cívicos – , Fillon é um ultraliberal, que propõe uma revolução conservadora, com um programa que prevê grandes sacrifícios sociais para os franceses.

Entre as medidas anunciadas ao longa da campanha das primárias está a redução das despesas públicas em 110 mil milhões de euros. Poupanças a fazer, entre outros, com a supressão de 500 mil empregos na função pública; o fim das 35 horas semanais e a passagem da idade da reforma dos 62 para os 65 anos. Para além disso, quer reequilibrar as contas da segurança social e reformar o sistema de saúde, limitando o aumento da despesa nesta área a apenas 2%.

Ao nível fiscal, promete abolir o imposto sobre a fortuna e, em termos de investimento, privilegia a segurança, a justiça e a defesa. O objetivo, afirma, é pôr fim à crise que o país atravessa e reposicionar a França como um Estado forte no seio da União Europeia.

François Fillon é um europeísta moderado, que defende uma Europa de Estados e identidades nacionais em deterimento das instituiçoes europeias, mas que preconiza uma verdadeira governação da zona euro autónoma da Comissão Europeia.
Ou seja, os parlamentos nacionais devem submeter-se à políticas monetárias do eurogrupo.

Em termos de política externa, Fillon defende a reaproximação da Europa com a Rússia, o levantamento das sanções contra Moscovo e uma associação entre europeus e russos na luta contra o Estado Islâmico, na Síria.

“Vi que alguns caricaturaram as minhas palavras, pintando-me como um amigo íntimo do presidente russo. É absurdo! Quando a França resistente se aliou com Estaline contra o nazismo, também suspeitaram que o general De Gaulle se tinha tornado comunista? “, perguntava durante a campanha.

O candidato da direita parte para 2017 com a confiança dos 66,5% de votos alcançados na primárias. Os seus apoiantes confiam que Fillon presidente pode “mudar o rumo político francês e mundial”.