EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

ALiados de Cuba em Havana para últimas homenagens a Fidel Castro

ALiados de Cuba em Havana para últimas homenagens a Fidel Castro
Direitos de autor 
De  Dulce Dias com EFE; AFP, Reuters
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A homenagem oficial decorre na Plaza de la Revolución, por onde já passaram dois milhões de pessoas em pouco mais de um dia. O funeral, no domingo, será, ao que tudo indica, mais recatado

PUBLICIDADE

Os líderes de países amigos e aliados de Cuba começam a chegar à capital da ilha para prestar as últimas homenagens ao antigo presidente cubano.

Pela Plaza de la Revolución, onde uma grande cerimónia está prevista esta noite, já passaram o presidente da Bolívia, Evo Morales, e o da Venezuela, Nicolás Maduro.

O primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, também estará presente e não esconde a emoção: “É uma grande honra estar aqui para prestar homenagem a esta grande personalidade que foi uma inspiração, não só para Cuba e para a América Latina, mas para todo o mundo”.

O presidente chinês Xi Jiping, que assinou o registo de condolências na Embaixada de Cuba, em Pequim, será representado em Havana pelo vice-presidente.

O chefe da Diplomacia russa também se dirigiu à embaixada cubana em Moscovo, onde depositou flores, enquanto Vladimir Putin enviou a Havana, sem sua representação, o presidente do senado.

Antigas ditaduras comunistas como a República Checa, Hungria, Roménia e Bulgária não enviam nenhum representante.

Quanto ao líder norte-coreano, Kim Jong Un, recolheu-se na embaixada, em Pyongyang.

A homenagem oficial decorre na Plaza de la Revolución, por onde já passaram dois milhões de pessoas em pouco mais de um dia. O funeral, no domingo, será, ao que tudo indica, mais recatado.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Centenas de cubanos visitam navio de guerra russo

Debandada em evento religioso na Índia mata mais de 100 pessoas

Líder do Malawi pede investigação independente à morte do vice-presidente em acidente de aviação