EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Cisjordânia: colonos de Amona preparam-se para resistir a ordem de evacuação

Cisjordânia: colonos de Amona preparam-se para resistir a ordem de evacuação
Direitos de autor 
De  Rodrigo Barbosa com AFP / EFE
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Os residentes do colunato judaico de Amona, na Cisjordânia, recusaram a proposta do governo israelita para relocalizar as suas casas e preparam-se para resistir à evacuação…

PUBLICIDADE

Os residentes do colunato judaico de Amona, na Cisjordânia, recusaram a proposta do governo israelita para relocalizar as suas casas e preparam-se para resistir à evacuação forçada.

O Supremo Tribunal de Israel decretou que o colonato deverá ser desmantelado até 25 de dezembro, por ter sido construído de forma ilegal em terrenos privados palestinianos. Mas para os colonos, as terras são suas:

“Parto do princípio que, dentro de algumas horas, chegarão as forças para evacuar a comunidade, mas nós vamos conduzir uma luta vigorosa e decisiva contra o desenraizamento de famílias das suas casas e de uma comunidade do seu lugar, bem como contra algo que fere as vidas de judeus que se desenvolveram na Judeia e na Samaria, o berço do povo judeu. Regressámos a casa e não temos intenção de pedir desculpa por isso.”

“A terra de Israel pertence ao povo de Israel. Não desistimos de um único centímetro da terra de Israel e, mesmo se tivermos de entrar numa batalha, no final acabaremos por vencer a guerra.”

Amona é um colonato designado como “selvagem”, o que significa que é ilegal no quadro do direito que Israel aplica à maioria da Cisjordânia, ocupada pelo Estado hebraico desde 1967.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Netanyahu disse a Blinken que não vai aceitar o fim da guerra em Gaza

Israel tenta impedir Tribunal Penal Internacional de emitir mandado em nome de Benjamin Netanyahu

Israel avisa Hamas que tem uma última oportunidade para negociar antes da invasão terrestre a Rafah