EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Síria: Putin propõe negociações de paz em Astana

Síria: Putin propõe negociações de paz em Astana
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Vladimir Putin diz que o regime de Bashar al-Assad, a Rússia, o Irão e a Turquia concordaram em encontrar-se na capital do Cazaquistão, Astana, para tentar negociar a paz para a…

PUBLICIDADE

Vladimir Putin diz que o regime de Bashar al-Assad, a Rússia, o Irão e a Turquia concordaram em encontrar-se na capital do Cazaquistão, Astana, para tentar negociar a paz para a Síria. O presidente russo, aliado de Damasco, apelou à oposição síria para participar no diálogo, no mesmo dia em que telefonou a Assad para o felicitar por ter “libertado” Alepo dos rebeldes.

Na cidade síria, completamente em ruínas, um habitante que acaba de regressar para constatar a destruição diz que não confia “nem num lado, nem no outro” do conflito, acrescentando que a situação “é demasiado complicada para entrar em detalhes”.

Nada escapou aos seis anos de guerra e à recente ofensiva do exército e aviação aliada de Damasco para expulsar os rebeldes, nem mesmo o património histórico.

A Grande Mesquita de Alepo, uma das mais famosas do Próximo Oriente, é a imagem da devastação: o minarete destruído por bombardeamentos e marcas de morteiros e tiros por todos os lados.

Um jovem sírio diz que “antes da guerra, Alepo era magnífica, mas agora não há nada”.

Entretanto, as forças governamentais sírias espalham-se pelo bairros recentementes conquistados, no leste da cidade. Segundo a televisão estatal, peritos militares começaram a desmantelar explosivos e armadilhas deixaram pelos rebeldes.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Israel ataca unidade de defesa aérea no sul da Síria com mísseis

Embaixador iraniano na Síria promete retaliação após alegado ataque israelita destruir consulado

Ataque israelita destrói consulado iraniano em Damasco e mata alta patente militar