EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Birmânia prende 4 polícias por agressões a cidadãos roynga (veja o vídeo)

Birmânia prende 4 polícias por agressões a cidadãos roynga (veja o vídeo)
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O caso ocorreu a 5 de novembro e as imagens foram divulgadas após o envio para a ONU de uma carta assinada por 15 prémios Nobel da Paz a pedir proteção desta minoria muçulmana.

PUBLICIDADE

As autoridades da Birmânia (Myanmar) detiveram quatro polícias relacionados com um vídeo divulgado durante o fim de semana (e que pode ser visto na íntegra mais abaixo), no qual são revelados os maus tratos infligidos por agentes das forças de segurança a cidadãos pertencentes à minoria muçulmana roynga.

O gabinete da assessora do Estado Birmanês, cargo desempenhado pela Nobel da Paz Aung San Su Kyi, afirmou em comunicado que a investigação também abrangeu outros elementos dos corpos de segurança implicados nestas violações de direitos humanos.

Os detidos são o autor do vídeo, Zaw Myo Htike, o chefe da brigada policial fronteiriça número 2, comandante Htun Naing, e os seus subalternos Tay Zar Lin e Pyae Phyo Thwin, segundo o media birmanês Irrawaddy.

OfficialSuuKyi</a> calls this "rule of law". I call this part of <a href="https://twitter.com/hashtag/Myanmar?src=hash">#Myanmar</a> <a href="https://twitter.com/hashtag/Rohingya?src=hash">#Rohingya</a> genocide. <a href="https://t.co/orN7sJh83t">https://t.co/orN7sJh83t</a> <a href="https://twitter.com/nslwin">nslwintunkhin80</a></p>&mdash; maung zarni (drzarni) 1 de janeiro de 2017

A gravação de Zaw Myo Htike com o telefone móvel regista uma fração da operação de segurança levada a cabo a 05 de novembro na aldeia Koe Tan Kaui, no estado de Rakain, no oeste da Birmânia.

A versão oficial é que a polícia recebeu a indicação de que se escondiam naquela localidade seis pessoas do grupo que matou um agente e feriu outro no ataque ao posto policial Nurula, também em Rakain.

Govt to take action against police filmed beating villagers in Rakhine State last month | #Myanmar#Rohingyahttps://t.co/bUnTKia3Bypic.twitter.com/B2LqfJFA10

— The Myanmar Times (@TheMyanmarTimes) 2 de janeiro de 2017

O dispositivo composto por elementos da brigada policial fronteiriça número 2 e a brigada 36 das forças de segurança levou para as ruas os habitantes de Koe Tan Kaui, colocou-os em filas, interrogou-os, agrediu-os e humilhou-os, e depois de revistar o local, deteve três suspeitos.

Na gravação vista pela agência Efe, que dura apenas 1,47 minutos, aparecem pontapés, bofetadas e bastonadas, e os intervenientes na operação estão conscientes da gravação.

Grupos da oposição birmanesa acreditam que a atuação policial não foi para descobrir agressores, mas sim para castigar os habitantes de Koe Tan kaui por terem falado mal dos corpos de segurança durante uma investigação sobre a situação dos roynga.

Um porta-voz do governo, Zaw Htay, declarou à imprensa que repetiram à polícia e ao exército em numerosas ocasiões a importância de terem cuidado em cada ação que empreendem e de respeitarem os direitos humanos.

O polémico vídeo surge uns dias depois de vários prémios Nobel da Paz dirigirem uma carta à ONU para pedirem a intervenção do organismo multilateral em Rakain, em defesa dos roynga e evitar o que “parece ser uma limpeza étnica”.

15-Nobel laureates wrote an open letter to UNSecurityCouncil 2 immediately intervene 2 STOP Persecution of #Rohingyahttps://t.co/aJPkdLEZcCpic.twitter.com/wRLjcrKBVA

— EU ROHINGYA COUNCIL (@the_erc) 29 de dezembro de 2016

Nobel laureates urge UN to step in on Rohingya issue https://t.co/v9hyA4M03D via DhakaTribune</a> <a href="https://twitter.com/Yunus_Centre">Yunus_Centresecgen</a> <a href="https://twitter.com/hashtag/peace?src=hash">#peace</a> <a href="https://twitter.com/hashtag/rohingya?src=hash">#rohingya</a></p>&mdash; Ziauddin Yousafzai (ZiauddinY) 29 de dezembro de 2016

Os Nobel, entre os quais Malala Yousafzai, Desmond Tutu e José Ramos-Horta, também criticam a colega Suu Kyi, a chefe de facto do governo birmanês, por não proteger os roynga, nem reconhecer-lhes a nacionalidade.

As autoridades birmanesas tratam os elementos desta etnia como imigrantes bengaleses e impõem-lhes múltiplas limitações, incluindo a restrição de movimentos.

No vizinho Bangladesh, país de origem dos roynga, esta minoria também é tratada como estrangeira.

Texto: Lusa (AH)
Edição: Francisco Marques

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Absolvição de polícias acusados de matar homem negro causa revolta nos EUA

Vítimas da violência na Irlanda do Norte põem governo em tribunal

Protestos em França contra a violência policial