Irlanda do Norte: Eleições antecipadas em março para salvar acordos de paz

Irlanda do Norte: Eleições antecipadas em março para salvar acordos de paz
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A Irlanda do Norte vai regressar às urnas, no próximo dia 2 de março, para tentar pôr fim à atual crise política entre unionistas e nacionalistas no executivo…

PUBLICIDADE

A Irlanda do Norte vai regressar às urnas, no próximo dia 2 de março, para tentar pôr fim à atual crise política entre unionistas e nacionalistas no executivo paritário.

A data do sufrágio antecipado foi anunciada esta segunda-feira,depois do partido Sinn Feinn ter rejeitado nomear um novo vice-primeiro-ministro para substituir o demissionário Martin McGuiness.

O partido católico acusa a primeira-ministra protestante de má gestão na atribuição de subvenções a empresas na área das energias renováveis.

Uma gestão danosa que, segundo o partido nacionalista, teria representado mais de 550 milhões de euros de perdas para os cofres públicos.

Segundo o deputado Conor Murphy do Sinn Feinn :

“Não vamos regressar às instituições previstas nos acordos de sexta-feira santa enquanto não assistirmos ao fim da corrupção destas instituições e dentro destas instituições. Não podemos regressar a este entendimento sem uma mudança radical na forma como o Partido Democrático Unionista (DUP) entende a partilha de poder”.

Londres pediu aos dois campos da região semi-autónoma que restabeleçam o diálogo, no quadro do executivo paritário previsto nos acordos de paz que puseram fim a três décadas de conflito no território.

A primeira-ministra norte-irlandesa, Arlene Foster, agora demissionária, não esconde a revolta:

“Nem a Irlanda do Norte nem a sua população necessitam de uma eleição. Face à ativação do artigo 50 para abandonar a União Europeia, a um novo presidente norte-americano e a uma economia global volátil, a Irlanda do Norte precisa mais do que nunca de um governo estável”.

Londres teme que a atual crise política fragilize os acordos de 1998 que prevêm, independentemente do resultado do sufrágio antecipado, uma coligação entre os dois campos e os dois partidos no governo regional.

A queda do governo paritário representa a maior crise política no território em mais de uma década e poderá ter implicações internacionais, nomeadamente ao nível do calendário do “Brexit”. A primeira-ministra britânica Theresa May terá que esperar pelas eleições de 2 março para poder submeter ao novo parlamento regional o pedido de ativação do artigo 50, relativo à saída do Reino Unido da União Europeia.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Partido Conservador perde dois assentos no parlamento britânico

Partido de Rishi Sunak perde dois assentos

Partido Popular espanhol vence eleições na Galiza com maioria absoluta