Al-Qaida do Magrebe reivindica atentado com 77 mortos no norte do Mali

Al-Qaida do Magrebe reivindica atentado com 77 mortos no norte do Mali
De  Francisco Marques
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O ataque ocorreu esta quarta-feira de manhã através de pelo menos um bombista ao volante de um carro armadilhado; um avião português ajudou a transportar as vítimas.

PUBLICIDADE

O braço armado da AQIM, a Al-Qaida do Magrebe islâmico, reivindicou o ataque desta quarta-feira em Gao, no norte do Mali. No comunicado, foi precisado que ataque terá sido realizado pelo Al Mourabitoune, um grupo aliado da AQIM, e o atacante fo identificado como abdul Hadi al-Fulani.

Pelo menos 77 pessoas terão morrido e dezenas de outras ficaram feridas, adiantou o jornal do Mali.

#Mali
La répartition des victimes de l'attentat de ce matin à #Gao serait de
CMA 32: morts
Plateforme: 27 morts
FAMas: 18 morts

— JournalduMali (@JourDuMali) 18 de janeiro de 2017

De acordo com a mesma fonte, citando uma testemunha, Souleymane Ag Anara, “camera men” correspondente da agencia Reuters, um veículo todo-o-terreno explodiu no meio de um campo militar onde estavam elementos de várias forças de segurança.

Terá sido um ataque suicida. O veículo, “um Land Cruiser de cor cinzenta ou castanha, tinha o símbolo do MOC (o Mecanismo Operacional de Coordenação do Mali) e era novo”, recorda Souleymane Ag Anara.

EXCLUSIF! témoignage#Gao#Attentat
Souleymane Ag Anara : « Avec tous les combats que j’ai couvert, je n’avais… https://t.co/RO1PCl86bc

— JournalduMali (@JourDuMali) 18 de janeiro de 2017

“Havia um grupo de guardas senegaleses posicionados à entrada, mas não fizeram grande coisa”, relata a testemunha, explicando que o condutor conseguiu entrar no campo e ao ver um grupo de militares em exercícios, dirigiu-se a eles e, pelas 09:00 horas da manhã locais deu-se a explosão.

Um avião C-130 da força aérea portuguesa, destacado no Mali ao serviço da MINUSMA (Missão Multidimensional integrada das Nações Unidas para a Estabilização do Mali) no campo militar de Bifrost, perto do aeroporto da capital Bamaco, foi mobilizado pelas Nações Unidas (ONU) para o transporte das vítimas do atentado.

A participação portuguesa na missão da ONU no Mali está estacionada no campo de Bifrost e integra 75 militares. Em dezembro, o contingente português recebeu a visita do ministro da Defesa, Azeredo Lopes, que esta quarta-feira comunicou à comissão parlamentar da Defesa a ocorrência do ataque, do qual, garantiu, não resultaram vítimas portuguesas.

#Mali: UN</a> condemns suicide bombing of <a href="https://twitter.com/hashtag/Gao?src=hash">#Gao</a> military camp, calling a ‘direct attack’ on peace process <a href="https://t.co/rYjFQvKhRv">https://t.co/rYjFQvKhRv</a> <a href="https://t.co/pjPWYSzeye">pic.twitter.com/pjPWYSzeye</a></p>&mdash; UN News Centre (UN_News_Centre) 18 de janeiro de 2017

No campo militar de Gao estão estacionados cerca de 600 militares, pertencentes às FAMA (Forças Armadas e de Segurança do Mali), às CMA (Coordenação de Movimentos rebeldes de Azawad) e da Plataforma, mobilizados para realizarem patrulhas mistas da região ao abrigo de um acordo de paz negociado pela ONU para pôr fim à violência no norte do Mali.

Na sequência do atentado desta quarta-feira, o Presidente do Mali decretou três dias de luto nacional.

MALI | Attentat-sucide dans un camp de Gao. Le Pdt #IBK décrète un deuil national de trois jours. pic.twitter.com/oMrW7njpaj

— Presidence Mali (@PresidenceMali) 18 de janeiro de 2017

25px; height: 0;”>

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Pelo menos 103 mortos em explosões durante cerimónia de aniversário da morte do general Soleimani

Dezenas de trabalhadores presos em túnel desmoronado na Índia

Explosão em centro de refugiados faz pelo menos 31 feridos