Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Governo britânico pretende "Brexit" amigável: Irá a UE ser branda?

Governo britânico pretende "Brexit" amigável: Irá a UE ser branda?
Tamanho do texto Aa Aa

O Governo britânico pretende uma saída da União Europeia (UE) com impacto superficial na relação comercial entre as duas entidades.

O executivo de Theresa May apresentou esta quinta-feira o “livro branco” sobre o “Brexit”, o processo de saída do bloco europeu decidido em referendo há sete meses e aprovado quarta-feira pela Câmara dos Comuns.

O documento repete a intenção britânica de recuperar o controlo sobre as respetivas fronteiras e os critérios de imigração, por oposição à livre circulação de bens, serviços, capitais e pessoas essencial nos princípios da UE.

O governo garante que “não vai expulsar ninguém”, mas diz precisar das mesmas garantias dos ainda parceiros europeus quanto aos cidadãos britânicos residentes no continente.

O “livro branco” afirma também que o Reino Unido vai procurar assegurar “a cooperação mais próxima possível em questões chave como a segurança, a política externa, a ciência e a tecnologia”, mas não refere, por exemplo, se o país se vai manter como membro do organismo de polícia europeu Europol.

De acordo com o ministro britânico para o Brexit, “o ‘livro branco’ torna claro” que o Reino Unido “pretende contar com uma legislação separada para setores como as alfândegas e a imigração, permitindo, com isso, uma saída da União Europeia branda e benéfica para ambos os lados.”

“Evitar um precipício disruptivo será essencial”, sublinhou David Davis, em Westminster, onde a oposição, pelo chamado ministro sombra para o Brexit, Keir Starmer, alegou que “o ‘livro branco’ nada deciz” e que o documento teria sido apresentado demasiado tarde para ser devidamente analisado.

Stephen Gethins, deputado pelo Partido Nacional Escocês, considerou o “livro branco” do Brexit “uma trapalhada com impacto na vida de todos”. “Os britânicos merecem melhor”, acrescentou.

Em outubro, a primeira-ministra britânica participou no primeiro Conselho Europeu e para dizer, então, aos parceiros que o processo de divórcio votado em referendo a 23 de junho se mantinha e não haveria marcha atrás.

Theresa May pretende acionar o artigo 50 do Tratado de Lisboa, que dá início oficia ao processo, até ao final de março e depois começar, então, a negociar uma saída branda dos britânicos da UE. Falta ainda, contudo, convencer os outros 27 Estados-membros a conceder esse divórcio amigável e benéfico para os britânicos.