Juizes travam decreto de Trump que proíbe entradas nos Estados Unidos

Juizes travam decreto de Trump que proíbe entradas nos Estados Unidos
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Os planos de Donald Trump estão de novo a ser travados pela justiça.

PUBLICIDADE

Os planos de Donald Trump estão de novo a ser travados pela justiça. O controverso decreto que limita a imigração foi suspenso pelos juizes. O decreto, assinado no dia 27 de janeiro, proibia a entrada nos Estados Unidos, por três meses, aos cidadãos de sete países muçulmanos e, por quatro meses, aos refugiados, com interdição ilimitada para os sírios.

O tribunal de recurso de São Francisco rejeitou, por unanimidade, o recurso do governo federal contra a suspensão temporária do diploma decretada por um juiz de Seattle, na passada sexta-feira. Os três juizes, William Canby, Richard Clifton et Michelle Friedman sublinharam que o governo não conseguiu demonstrar que a manutenção da suspensão provoca riscos para a segurança do país.

No bairro de Westwood, em Los Angeles, onde habita uma grande comunidae iraniana, sente-se um enorme alívio. O Irão é um dos países visados pelo decreto de Trump.

Mike Amiri é um agente de viagens irano-americano, preocupado com a situação: “Penso que está tudo acabado. Estou à espera que Donald Trump diga, ok, vamos ver-nos no tribunal. Mas tenho esperança de que se resolva o problema e se acabe com o impedimento de viagens para os Estados Unidos, porque todos nós somos refugiados”.

E foi isso que Trump tuitou: “Encontro no tribunal. A segurança da nossa nação está em jogo”.

A batalha legal foi desencadeada em Seattle, quando o ministro da Justiça de Washington apresentou o decreto perante um juiz federal por considerar que ele violava a liberdade religiosa protegida pela constituição. Ontem Fergunson mantinha-se confiante e desafiava: “O presidente não tem alternativa. Pode continuar a lutar contra isto ou pode rasgar o decreto e começar de novo. Eu aconselho-o vivamente a ponderar a sua ação”.

Para Rory Little, professor de Direito do Hasting College of Law, da Universidade da Califórnia, Trump e a sua equipa estão longe ter a batalha ganha: “Penso que se forem para o Supremo Tribunal dos Estados Unidos arriscam-se a ter uma decisão desfavorável. Penso que se pensassem de forma estratégica não iam por aí, mas este presidente não parece intimidar-se com nenhum tipo de confronto”.

A equipa de Donald Trump tem agora 14 dias para pedir ao tribunal de recurso que reconsidere a decisão recorrendo a um painel mais alargado de juizes ou fazer seguir o caso para o Supremo Tribunal Federal.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Nova Iorque sacudida por terramoto de 4,8 na escala de Richter, o maior em mais de 40 anos

Israel vai abrir dois corredores de ajuda humanitária em Gaza após aviso dos EUA

Homem que recebeu rim de um porco teve alta hospitalar