EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Milhares de pessoas protestam em Minsk contra imposto

Milhares de pessoas protestam em Minsk contra imposto
Direitos de autor 
De  Nara Madeira
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Cerca de dois mil bielorrussos participaram num dos maiores protestos, dos últimos anos, no país, esta sexta-feira.

PUBLICIDADE

Cerca de dois mil bielorrussos participaram num dos maiores protestos, dos últimos anos, no país, esta sexta-feira.

Um protesto contra uma lei, aprovada em 2015, popularmente conhecida por “lei contra parasitas sociais”, e que impõe o pagamento de um imposto a quem trabalhe menos de 183 dias por ano.

A nova lei foi criada num momento em que muitos bielorrussos lutam para fazer face às despesas após mais de dois anos de recessão económica:

“Não é um decreto, é uma loucura, é um absurdo. Eu não recebi esses benefícios, embora pudesse. Poupei dinheiro ao governo e agora, graças a esse decreto, tenho que lhes pagar dois salários mínimos sobre algo que não recebo. Trata-se de uma fraude”, explica Vitaly Spinkin, desempregado, residente de Minsk.

“Hoje posso não ser eu, são eles mas amanhã posso estar no seu lugar ou eles podem inventar outra coisa qualquer. Por isso, acredito que é meu dever expressar a minha solidariedade para com estas pessoas”, adiantou Alexei, outro habitante da capital.

O país está em recessão desde 2015, devido à quebra nos preços do petróleo e por contágio da crise na vizinha Rússia, à qual esta economia está, estreitamente, ligada até porque muitos bielorrussos trabalham aí.

De acordo com dados recentes menos de 10% dos visados por este imposto pagaram. Ainda assim o governo teve uma receita extra de quase seis milhões de euros.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Israelitas em protesto em Jerusalém para exigir eleições e libertação dos reféns

"Agricultores guerreiros" próximos da extrema-direita fizeram protesto "convivial"

Gigante do comércio alemão Karstadt tenta plano de resgate mas não evita milhares de despedimentos