EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Eleições antecipadas vão resgatar a Irlanda do Norte do impasse?

Eleições antecipadas vão resgatar a Irlanda do Norte do impasse?
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A Irlanda do Norte prepara-se para aquele que é o escrutínio mais determinante desde os acordos de paz de 1998.

PUBLICIDADE

A Irlanda do Norte prepara-se para aquele que é oescrutínio mais determinantedesde os acordos de paz de 1998. Esta província, parte integrante do Reino Unido, votou maioritariamente contra o Brexit em junho passado. Na próxima quinta-feira regressa às urnas para eleições antecipadas.

O governo partilhado entre unionistas do chamado DUP e republicanos do Sinn Féin colapsou. Arlene Foster, do primeiro bloco político, e Martin McGuinness, da ala republicana, formaram o executivo em maio de 2015. Mas, no início deste ano, o vice-primeiro-ministro McGuinness demitiu-se na sequência de um escândalo de corrupção em torno de Foster, chefe do governo, que recusou afastar-se.

O Sinn Féin rejeitou, por sua vez, a possibilidade de nomear um outro nome para o cargo de McGuinness. Londres suspendeu a autonomia para organizar um novo processo eleitoral.

#ArleneFoster and #MichelleONeill clash in head-to-head debate https://t.co/uv3T8860fN (PSR) #Stormont#NorthernIreland#CashForAshpic.twitter.com/G1DJWPEUue

— Irish Examiner (@irishexaminer) 16 February 2017

Os acordos de paz pressupõem governos de coligação entre católicos e protestantes, ou seja, os dois cargos cimeiros do executivo têm de ser ocupados por um membro de cada fação. Mas o Sinn Féin rejeita a permanência de Foster como líder unionista e não parece haver entendimento no horizonte.

Para Foster, “o Sinn Féin adotou uma postura de passar para um cenário de governo direto, caso não obtenham o que pretendem. E, na verdade, isso significa que o futuro da Irlanda do Norte passaria a ser decidido por um administrador vindo de Londres, tanto em matéria de saúde, como de desenvolvimento económico”.

Nenhum dos dois partidos pretende o regresso de fronteiras rígidas quando o Reino Unido sair da União Europeia. Mas para o Sinn Féin, o Brexit representa uma oportunidade rumo a um objetivo histórico: a reunificação com o sul. Segundo o líder do partido, Gerry Adams, os republicanos “não vão aceitar um acordo que só agrada a uma percentagem muito reduzida da população. O Sinn Féin é um partido unido que quer pôr fim ao domínio britânico e terminar com as divisões”.

Os acordos de Stormont dão ao ministro britânico para a Irlanda do Norte o poder de convocar um referendo sobre a reunificação, caso se comprove uma mudança óbvia na opinião pública que coloque em causa o estatuto constitucional.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Modi reivindica vitória nas eleições gerais da Índia

Primeiro-ministro Modi perto da vitória nas eleições da Índia

Nova Democracia quer mudar imagem da Grécia na Europa: a "ovelha negra" fez-se "agradável surpresa"