EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Responsável pela Diplomacia alemã diz que segurança da Europa não depende só da Defesa

Responsável pela Diplomacia alemã diz que segurança da Europa não depende só da Defesa
Direitos de autor 
De  Nara Madeira
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O ministro dos Negócios Estrangeiros alemão afirmou, esta segunda-feira, estar cético em relação ao aumento dos gastos da Defesa, para o nível proposto pelos membros da NATO, no seu…

PUBLICIDADE

O ministro dos Negócios Estrangeiros alemão afirmou, esta segunda-feira, estar cético em relação ao aumento dos gastos da Defesa, para o nível proposto pelos membros da NATO, no seu país.

Sigmar Gabriel sublinhou que há outras questões prementes como a necessidade de desenvolver uma “arquitetura de segurança”, coletiva, europeia.

Para o ministro, a Europa deve fazer mais por si, em vez de confiar nos Estados Unidos, e a Alemanha tem de ser, também, mais ativa neste processo:

“Penso que precisamos de ponderar outros aspetos, a começar pelo facto de que não acredito que a segurança da Europa possa ser garantida apenas com as despesas de Defesa. A maioria das guerras e a questão dos refugiados que estamos a enfrentar, atualmente, não pode ser resolvida com mais gastos em equipamentos, mas protegendo as pessoas da fome, da pobreza e da guerra, por exemplo, provocada pela falta de água”, afirmou.

A NATO concordou que os seus membros devem fazer um esforço para destinar dois por cento do seu PIB à Defesa. Ainda assim, Sigmar Gabriel esclarece que a decisão é meramente indicativa e não mandatória, deve caminhar-se nesse sentido.

Atualmente, 1,2% do PIB alemão vai para este setor.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Estónia intensifica esforços para combater ataques híbridos russos

Civis da Estónia treinam guerra de trincheiras com soldados franceses da NATO

Rússia coloca primeira-ministra da Estónia na lista dos "procurados"