Relatório sobre "apartheid israelita" provoca demissão na ONU

Relatório sobre "apartheid israelita" provoca demissão na ONU
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Foi a primeira vez que um organismo das Nações Unidas fez referência a uma política de “apartheid de Israel” contra os palestinianos.

PUBLICIDADE

Foi a primeira vez que um organismo das Nações Unidas fez referência a uma política de “apartheid de Israel” contra os palestinianos. Mas o relatório da Comissão Económica e Social para a Ásia e Pacífico (ESCAP) da ONU apenas esteve em linha pouco mais de um dia.

O documento foi retirado e a jordana Rima Khala, secretária executiva do ESCAP, demitiu-se.

António Guterres tinha lhe pedido para retirar o documento da página na internet.

“Já se esperava que Israel e os aliados fizessem uma grande pressão sobre o secretário-geral das Nações Unidas para que recusasse o relatório. O secretário-geral deu-me instruções para eu o retirar”
, explicou Rima Khala.

De facto, Israel e os Estados Unidos reagiram de forma negativa e exigiram a retirada do documento.

O porta-voz de António Guterres explicou que o documento foi publicado sem que a hierarquia tivesse sido consultada.

“Não se trata de pressão, isto é sobre a autoridade do secretário-geral necessária para gerir a organização de uma forma que seja eficaz e que seja capaz de cumprir os seus objetivos”, disse Stephane Dujarric.

No documento é possível ler-se que “Israel põe em prática políticas que fragmentam os palestinianos, o principal método pelo qual Israel impõe o apartheid”.

O relatório diz ainda que “as evidências estabelecem sem sombra de dúvidas que Israel é culpado de políticas e práticas que constituem o crime de apartheid, conforme definido pelos instrumentos da lei internacional”.

O relatório pode ser consultado descarregado aqui

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Israel diz ter descoberto túneis do Hamas debaixo da sede da UNRWA

Situação humanitária cada vez mais complicada em Gaza

Comité da ONU vota a favor da inscrição das ruínas da antiga Jericó na Palestina como Património da Humanidade