EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Tragédia na Rússia faz reagir líderes mundiais

Tragédia na Rússia faz reagir líderes mundiais
Direitos de autor 
De  Ricardo Figueira
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A explosão mortífera causou consternação por todo o mundo

PUBLICIDADE

Ainda sem se saber quem está por detrás da explosão no metro de São Petersburgo, muito provavelmente um atentado terrorista, a notícia está já a causar reações um pouco por todo o mundo. A alta representante da União Europeia para a política externa, Federica Mogherini, mostrou-se preocupada: “Mandamos, obviamente, as nossas condolências ao povo russo e, em particular, àqueles que perderam entes queridos. É com muita apreensão que vamos continuar a seguir as notícias que nos chegam de São Petersburgo”.

Following the news coming from #SaintPetersburg, together with all EU Foreign ministers. Our thoughts are with all people of #Russia

— Federica Mogherini (@FedericaMog) April 3, 2017

De Londres e de Paris vêm também reações dos chefes da diplomacia britânica e francesa, Boris Johnson e Jean-Marc Ayrault: “Ainda não sabemos quem está por detrás ou quem é responsável por este ato terrível, mas o nosso pensamento está com as famílias das vítimas e com o povo de São Petersburgo, tal como há poucos dias estava com a população de Londres”, disse Johnson.

Horrified by news of explosion in St Petersburg. My sympathies are with the victims and their families.

— Boris Johnson (@BorisJohnson) April 3, 2017

Jean-Marc Ayrault acrescentou: “Em primeiro lugar, quero expressar a minha solidariedade para com as vítimas e as minhas condolências para com o povo russo. Não conhecemos as causas, mas estamos com aqueles que sofrem. Por isso quero mostrar a minha solidariedade, em nome da França”.

Solidarité avec la Russie et les familles des victimes après le drame de Saint-Petersbourg.

— Jean-Marc Ayrault (@jeanmarcayrault) April 3, 2017

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

A exposição da Rússia aos extremistas islâmicos do Cáucaso

As principais datas do terror na Rússia desde 2010

Putin: "Vamos fazer o possível para determinar o que aconteceu"