EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Alemanha cria comando de defesa cibernética

Alemanha cria comando de defesa cibernética
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

O exército alemão, o Bundeswehr, é um alvo de alto valor para hackers e agências de espionagem estrangeiras – não só por causa dos segredos militares, mas também devido aos seus sistemas de armamento

PUBLICIDADE

O exército alemão, o Bundeswehr, é um alvo de alto valor para hackers e agências de espionagem estrangeiras – não só por causa dos segredos militares, mas também devido aos seus sistemas de armamento apoiados em Tecnologia da Informação (TI).

2017 é ano de eleições na Alemanha, os ataques de hackers, como os que aconteceram durante as eleições presidenciais nos Estados Unidos, são temidos.

A ministra alemã de Defesa, Ursula von der Leyen, está a criar uma nova unidade de comando (Cyber and Information Space Command (CIR) – Centro de Comando de Informação Ciberespacial) que deverá atingir 13.500 efetivos em julho (em comparação, o corpo de fuzileiros da Bundeswehr tem cerca de 16.000 soldados e a força aérea 28.000).

Germany's Bundeswehr cyber security command A nova unidade de comando, com sede em Bona, conta, inicialmente, com 260 efetivos.

O objetivo da nova unidade é defender a Alemanha de ataques cibernéticos, mas também pode responder com “medidas ofensivas” se as suas redes de computadores forem atacadas. O que é criticado por partidos da oposição, que consideram que o exército precisaria de um mandato parlamentar para realizar ataques cibernéticos.

O Provedor de Justiça Militar, Hans-Peter Bartels, disse ao jornal Neue Osnabrueckner Zeitung que todas as ações ofensivas necessitam da aprovação explícita pelo parlamento, uma vez que o exército alemão é um “exército parlamentar”.

A Bundeswehr está a procurar especialistas em TI no mercado de trabalho. Atualmente, tem campanhas publicitárias para apresentar o exército como um empregador em TI atraente e moderno.

Em 2017, mil milhões de euros serão gastos em pessoal, e 1,6 mil milhões de euros serão dedicados a investir em hardware, fornecedores e e outras despesas.

Não será provavelmente um modelo para um futuro exército cibernético da União Europeia (UE). Os países da UE utilizam diferentes infraestruturas e programas de TI, embora exista na Europa, dentro da Europol, uma unidade dedicada à luta contra o cibercrime denominada European Cybercrime Center (Centro Europeu Cibercrime)“EC3”:https://www.europol.europa.eu/about-europol/european-cybercrime-centre-ec3

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Parlamento alemão debate violência no país e condena ataque contra Robert Fico

Borrell compara destruição em Gaza com danos causados nas cidades alemãs na Segunda Guerra Mundial

Três alemães detidos por suspeitas de espiarem para a China