Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Rússia diz que razões para ataque à Síria são "inventadas"

Rússia diz que razões para ataque à Síria são "inventadas"
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O ataque ordenado por Donald Trump contra uma base aérea na Síria marca o fim do idílio entre o novo presidente americano e a administração russa. Se, até agora, Trump se mostrou mais próximo de Putin que qualquer um dos antecessores, a ofensiva contra Assad parece marcar um ponto de rutura. As imagens do ataque químico em Idlib foram decisivas para esta mudança de posição: “É no interesse vital da segurança nacional dos Estados Unidos prevenir e impedir o uso e a disseminação das armas químicas mortais. Não há dúvidas de que a Síria usou armas químicas proibidas, violou as obrigações que tem, segundo a Convenção de Armas Químicas e ignorou as ordens do Conselho de Segurança da ONU”, disse Trump, ao anunciar o ataque.

Foi um ataque feito sob pretextos inventados que nos faz lembrar a situação em 2003, quando os Estados Unidos e a Grã-Bretanha, juntamente com alguns aliados, invadiram o Iraque sem o acordo do Conselho de Segurança da ONU.

Serguei Lavrov Ministro russo dos Negócios Estrangeiros

Segundo os Estados Unidos, a base atacada é de onde partiu o ataque com armas químicas em Idlib, cujas imagens correram mundo. A Rússia, aliada de Bashar el-Assad, rejeita esta tese e faz um paralelo com a invasão do Iraaque em 2003. O ministro dos Negócios Estrangeiros, Serguei Lavrov, reagiu a partir de Tashkent, no Uzbequistão: “Foi um ataque feito sob pretextos inventados que nos faz lembrar a situação em 2003, quando os Estados Unidos e a Grã-Bretanha, juntamente com alguns aliados, invadiram o Iraque sem o acordo do Conselho de Segurança da ONU, uma enorme violação das leis internacionais. Desta vez, nem se preocuparam em mostrar factos, basearam-se em fotografias e especularam sobre fotos de crianças.

A administração Putin mantém a versão de que as armas químicas pertenciam aos rebeldes.

A Rússia tem sido o principal aliado do regime de Bashar el-Assad desde que o conflito começou e intervém militarmente desde há dois anos. Tem sido o principal obstáculo a uma ação contra o governo de Bashar el-Assad.