Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Mahmoud Ahmadinejad: "o meu objetivo é melhorar a situação do povo, do país e do mundo"

Mahmoud Ahmadinejad: "o meu objetivo é melhorar a situação do povo, do país e do mundo"
Tamanho do texto Aa Aa

O Irão escolhe o novo presidente no dia 19 de maio. Na corrida ao cargo de chefe de Estado está o antigo presidente Mahmoud Ahmadinejad.

Esta guerra levará à queda da hegemonia dos EUA.

Mahmoud Ahmadinejad Ex-presidente do Irão

A sua reeleição, nas eleições de 2009, desencadeou a maior onda de protestos desde a revolução de 1979.

A candidatura de Ahmadinejad tem de ser, ainda, aprovada pelo Conselho dos Guardiões, um órgão jurídico que analisa se as candidaturas estão em conformidade não só com a Constituição do país mas também com as leis religiosas.

O antigo presidente enfrenta, agora, a oposição do Ayatollah Ali Khamenei que aconselhou o antigo presidente a não se candidatar.

A euronews conversou com Mahmoud Ahmadinejad.

euronews: Senhor Amadinejad, obrigado por conceder esta entrevista à euronews.

Começo por perguntar: que mudanças vê entre o Irão, durante a sua presidência e o Irão de agora?

Mahmoud Ahmadinejad: Gostaria de, em nome de Deus, saudar os tele-espetadores.

Há muitas diferenças entre esse tempo e agora. O mundo está em constante mudança.

Não há dois dias iguais na vida de um indivíduo, a mesma regra aplica-se a uma nação e a um país. No entanto, não creio que tenhamos ficado mais fortes tanto politica como economicamente.

e: Um dos problemas, durante sua presidência, foi a implementação das sanções internacionais que dificultaram a economia do país. Após o acordo nuclear, diz-se que muitas dessas sanções foram levantadas e que esses problemas estão a ser resolvidos. Qual é a sua opinião sobre o acordo nuclear?

MA: É um acordo legal que foi assinado entre o Irão e vários países. No Irão, foi aprovado por instituições oficiais e o Líder anunciou ter-se comprometido com ele. Portanto é, agora, um documento legal.

Mas em relação às expectativas que foram criadas nas entrevistas sobre o acordo nuclear e no que foi dito sobre o assunto…
Foi apresentado como se fosse resolver todos os problemas do mundo e que todas as sanções das Nações Unidas assim como as sanções unilaterais e coletivas que, ilegalmente, foram impostas ao Irão, seriam levantadas e que as relações seriam sanadas.

Na minha opinião, a forma como as informações foram dadas estava incorreta. A nação não recebeu a informação correta. Depois vimos que o que foi dito não se materializou.

As sanções continuaram, foram impostas novas sanções e algumas foram prorrogadas. O acordo não previu a capacidade de acompanhamento legal.

Penso que, onde quer que seja no mundo, quando acordos a tão alto-nível são alcançados, as pessoas devem ser informadas, corretamente, e deviam ser questionadas sobre a sua opinião pois, no fim de contas, são elas que vão ser afetadas por esses acordos.

Mas a Agência Internacional de Energia Atómica está a dizer que os iranianos cumpriram todos os compromissos, mas alguns dos compromissos assumidos pelo outro lado ainda não foram cumpridos e penso que deveriam cumpri-los.

e: Gostaria de perguntar-lhe qual a razão para avançar como candidato às eleições presidenciais, para um terceiro mandato?

Há uns tempos, o líder iraniano, o Ayatollah Ali Khamenei, aconselhou-o a não participar nas eleições. Depois disso, o senhor enviou-lhe uma carta e anunciou, formalmente, que não planeava concorrer. Por que mudou de ideias? Algumas pessoas veem isso como um diferendo entre si e o Ayatollah Khamenei. O que diz sobre isso?

MA: É dever de cada indivíduo participar nos assuntos sociais. Não podemos dizer a alguém: “não participe”. Há liberdade no Irão. Todos aqueles que têm uma ideia e um plano podem participar e colocar-se à prova, submetendo-se à votação do povo.

Qualquer um que pense que ele ou ela pode fazer algo, ou pode fazer melhor, ou tem um plano melhor para o país, então pode avançar. E eu não sou exceção.

Como anunciei, no dia em que me inscrevi, o Líder da Revolução não emitiu uma ordem, deu o seu conselho dizendo que não dizemos às pessoas para se candidatarem ou não. Além disso, a situação mudou totalmente. Não existe mais uma situação bipartidária. É, agora, multipartidária. De qualquer forma, anunciei, no dia da inscrição, que entrei na cena eleitoral para apoiar o meu amigo e irmão Baghaei (Hamid Baghaei, ex-vice-presidente de Ahmadinejad)

e: Espera que a sua candidatura seja aprovada pelo Conselho dos Guardiões?

MA: Não há razão para que não seja. Porquê? Porque não?

e: O líder apoiou, claramente, a sua candidatura nas eleições de 2009. Parece que agora não tem o mesmo apoio que tinha naquela época. Como comenta isso?

MA: Ele apoiou todos os governos. Apoiou, também, o governo atual.
Se não fosse o seu apoio, o atual governo não teria sido capaz de assinar o acordo nuclear ou avançar com os seus planos.

e: A minha próxima pergunta é: O que pensa do facto de os seus dois principais rivais, nas eleições de 2009, estarem sob prisão domiciliária oito anos após o escrutínio?

MA: Já disse antes: eu não gosto que ninguém, em qualquer lugar do mundo, esteja detido ou preso. Não gosto.

e: Essa resposta é suficiente?

MA: Pediu a minha opinião e eu disse-lhe que não gosto. É essa a minha opinião.

e: Nos comentários dos “media”, assim como em alguns círculos políticos, diz-se que o seu pedido de candidatura, tal como o do senhor Baghaei, o seu vice-presidente no governo anterior, será apenas para obter algum tipo de imunidade contra determinados casos políticos e económicos.

Como responde a esses críticos?

MA: Tenho uma observação geral para dizer a todos os políticos do mundo: para se envolverem na política, têm de ser honestos, estar comprometidos com os valores humanos e com a moralidade.

Recorrer a outros meios, na política, vai arruinar o trabalho. Mentir, acusar, espalhar rumores, é tudo muito mau. Temos rivais dentro do país que não sabem fazer mais nada além de minar. Eles, simplesmente, fazem acusações sem sentirem a necessidade de apresentar qualquer prova. Felizmente, graças a Deus, tais provas não foram apresentadas pois, simplesmente, não existem.

A vida do Sr. Baghaei foi escrutinada da maneira mais severa possível. Muitos grupos, de diferentes instituições, analisaram o seu perfil, mas não encontraram nada. No entanto, existem algumas pessoas que pensam que, ao repetir informações falsas, podem fazer com que pareça real para a sociedade.

Não existe nenhum processo. Muitas pessoas podem ter processos contra elas. Não é difícil interpor um processo contra alguém. É necessário, simplesmente, apresentar uma queixa e obter um número de registo e, então, inicia-se um processo legal.

Mas aqueles que alegaram isso, não foram capazes de provar nada contra mim, contra o Sr. Baghaei ou contra os meus amigos, nem nunca serão capazes de fazê-lo.

e: Veio da fação ultraconservadora, mas hoje…

MA: O que quer dizer com fação ultraconservadora?

e: É a fação que se autodenomina…

MA: Não é assim. A fação ultraconservadora não me apoiou em tudo. Eu já tinha estado em contacto com diferentes politólogos e pessoas como eu. Mas se, por ultraconservador, você quer dizer estar comprometido com um conjunto de princípios, então pode dizer isso, com certeza. Defendo um conjunto de princípios e valores humanos e não estou disposto a abandoná-los por causa de rivalidades políticas. Além disso, o meu objetivo é melhorar a situação do povo, do país e do mundo.

e: Como avalia a sua popularidade no seio da sociedade?

MA: Temos um bom relacionamento com as pessoas. Se tratarmos bem as pessoas, as pessoas retribuem.

e: Quero dizer, uma vez que consiga passar pelo Conselho dos Guardiões, será bem recebido pelas pessoas…

MA: Sim, as pessoas vão receber-me muito bem, certamente.

e: Enviou uma carta a Donald Trump depois de ele ter sido eleito Presidente dos Estados Unidos.

O que estava na carta? Recebeu alguma resposta?

MA:Não leu a carta?

e: Sim mas quero ouvi-lo de si…

MA: Bem, os pontos da carta são claros. O Sr. Trump fez algumas reivindicações e fez algumas promessas. Relembrei-o das suas promessas e expliquei-lhe como cumpri-las. Fiz isso como um dever humano. Todos nós temos esse dever, de lembrar o outro. Fiz isso como um dever humano. Não importa se ele aceita ou não. Fiz o meu dever. Disse-lhe qual era o caminho certo e qual era o errado.

e: E ele respondeu?

MA: Não espero que ele responda pois trata-se de diplomacia pública e a diplomacia pública não exige resposta exclusiva. A ideia é dirigir-se a toda a humanidade, mas nomeando apenas uma pessoa.

e: Sobre a situação na Síria, após o recente ataque com mísseis norte-americanos. Acredita que estes desenvolvimentos, na Síria, estão a caminhar para onde?

MA: Penso que o Sr. Trump escolheu o caminho da guerra, apesar das promessas que fez ao seu povo. Já disse isso antes e volto a dizer: esta guerra levará, certamente, à queda da hegemonia global dos Estados Unidos da América.

Tenho muitas razões para isso e posso explicá-las em outra oportunidade

O Irão, os Estados Unidos, a Rússia, a Arábia Saudita, a Turquia… Temos todos que dar as mãos para trabalharmos, em primeiro lugar, para a segurança, o diálogo e a paz na Síria; em segundo lugar, para ajudar a cumprir a vontade e a soberania do povo sírio. Temos que respeitar a soberania síria e deixar o povo da Síria escolher o que quer. Devemos aceitar a escolha dele. Ninguém, ninguém está acima do povo da Síria, ninguém.

e: Após o fim do seu mandato no executivo, como ocupa o tempo livre?

MA: Eu estudo, ensino na universidade, há investigações para fazer. Faço investigação no meu próprio campo de especialização e, também, em estudos políticos, económicos e internacionais. Uma parte considerável do meu tempo é dedicada a encontros com pessoas comuns, bem diferentes das personalidades nacionais e internacionais. Faço exercício, viajo e divirto-me, também.