A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Estados Unidos "reanimam" parceria com Egito no Médio Oriente

Estados Unidos "reanimam" parceria com Egito no Médio Oriente
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Os Estados Unidos pretendem relançar a aliança estratégia com o Egito e esse terá sido o mote da visita desta quinta-feira do secretário da Defesa norte-americano ao Cairo. Pouco depois de aterrar, James Mattis reuniu-se com o Presidente Abdel Fatah al-Sisi.

Antigo comandante das forças armadas norte-americanas no Médio Oriente, o agora responsável pela Defesa dos Estados Unidos terá elogiado a importância geoestratégica do Egito e expressado a Al-Sisi o total apoio às políticas egípcias no combate ao terrorismo, revelou a presidência local em comunicado.

Após a reunião com o Presidente egípcio, o responsável do Pentágono reuniu-se ainda com o ministro da Defesa, Sedki Sobhi, no quartel-general egípcio, onde foi recebido por uma banda de música militar, e depois ainda participou na deposição de uma coroa de flores no túmulo do Soldado Desconhecido.

O chefe do Pentágono terá também tentado clarificar com os responsáveis egípcios a alegada presença de militares russos no deserto ocidental do Egito, o que tem sido negado pelo Cairo.

Depois do esfriar das relações bilaterais entre Washington e o Cairo, nos últimos anos da Administração Obama, devido à forma como Al-Sisi conduziu a deposição do antecessor, o islamista Mohamed Morsi, e a perseguição aos militantes da Irmandade Muçulmana, Donald Trump manifestou ter uma opinião diferente.

Além de manter o programa de apoio militar ao Egito avaliado em 1,3 mil milhões de dólares/ ano (1,2 mil milhões de euros) — suspenso por Obama entre 2013 e 2015 —, o novo Presidente dos Estados Unidos pretende reanimar os laços com Al-Sisi até pelo importante papel no bloqueio de militantes do “daesh” de fugirem da Líbia pela fronteira egípcia.

Al-Sisi revelou estar em sintonia com Trump, tendo manifestado a Mattis o desejo de “reforçar a atual cooperação militar entre os dois países.”

A próxima escala da digressão do secretário da Defesa dos Estados Unidos pelo Médio Oriente e África acontece em Israel, para onde viaja ainda esta quinta-feira. A “tour” de James Mattis começou na Arábia Saudita e tem previsto passar ainda por Qatar e Djibuti.