França eleição: a derrota amarga de socialistas e republicanos

França eleição: a derrota amarga de socialistas e republicanos
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A eleição presidencial em França foi um grande balde de água fria para os dois tradicionais partidos: Os Republicanos e o Partido Socialista.

PUBLICIDADE

A eleição presidencial em França foi um grande balde de água fria para os dois tradicionais partidos: Os Republicanos e o Partido Socialista. Pela primeira vez, na história da V República, nenhum deles se qualificou para a segunda volta. O conservador François Fillon, candidato dos Republicanos reconheceu prontamente a derrota:
“Neste momento, assumo as minhas responsabilidades. Esta derrota é a minha e é a mim e a mim só que compete assumi-la”.

Fillon chegou a liderar as sondagens e a ser considerado o potencial futuro presidente, até ao dia em que o jornal “Canard Enchaîné” publicou o que se tornaria no escândalo dos empregos fictícios.

“O que acabou de acontecer é um verdeiro desperdício. François Fillon tem uma grande responsabilidade”.
Como Nadine Morano, que publicou este tweet, muitos membros do partido culpam Fillon por não ter querido abandonar a campanha quando ainda era possível encontrar outro candidato.

Fillon apelou ao voto em Emmanuel Macron para impedir a extrema-direita de aceder à presidência, mas o partido, que reuniu os seus quadros esta manhã, não deu ainda qualquer indicação de voto.

Em estado de choque está também o Partido Socialista, mas numa situação ainda pior. O candidato escolhido nas primárias não foi além dos 6% dos votos. Entre os socialistas não houve escândalos, mas uma profunda crise e divisão que transferiram muitos votos para o dissidente socialista Jean-Luc Mélenchon.

O lider do grupo parlamentar socialista, Olivier Faure, tenta desdramatizar: “É forçosamente o fim de algo, mas o início de qualquer coisa também. Agora é nossas responsabilidade conseguir reformular a nossa política para tentar federar da forma mais alargada e fazer com que possamos, de novo, incarnar a esperança para os franceses”.

A derrota foi violenta para Benoit Hamon que tinha surpreendido nas primárias derrotando os favoritos. Apesar de o candidato se ter demarcado da política do governo e ter-se mesmo dimitido em discordância com as políticas de Hollande, carregava o fardo da sigla socialista e da herança de um mandato que os eleitores querem esquecer o mais depressa possível.

Para os socialistas a situação não é inédita. O seu candidato, Lionel Jospin, já tinha sido desalojado da segunda volta em 2002 e o partido conseguiu recompôr-se. Será que o poderá fazer também desta vez?

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Polícia encontra mais de 60 quilos de canábis em casa de autarca francesa

Polícia francesa expulsa dezenas de migrantes de Paris a quase 100 dias dos Jogos Olímpicos

Encontrados restos mortais do pequeno Émile